A+ / A-
medicina geral e familiar

Clínicos advertem que não pode haver médicos "com dois mil utentes”

11 fev, 2019 - 12:22 • Redação

Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar aplaude aumento do tempo por consulta, mas defende redução de utentes por médico.
A+ / A-

A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar concorda com o pedido da Ordem dos Médicos para que haja consultas mais longas, no publico e no privado, mas adverte que não basta decretar a medida.

Em declarações à Renascença, o presidente da associação, Rui Nogueira, admite que este é o melhor caminho na saúde familiar, mas lembra também é preciso a redução das listas de doentes de cada médico.

Em condições ideais, as listas poderiam ir até 1.750 doentes, cifra que é inferior à média nacional. "Temos muitos médicos com dois mil e até com mais de dois mil doentes. Não é possível exercer medicina geral e familiar com dois mil utentes por lista”, diz Rui Nogueira, acrescentando que esta situação é geradora “de outras necessidades, nomeadamente o recurso às urgências”.

A Ordem dos Médicos vai estabelecer tempos padrão para a marcação de consultas médicas. Num documento divulgado esta segunda-feira, elaborado com contributos dos Colégios de Especialidade, a Ordem aponta os tempos que as consultas devem durar em cada especialidade médica.

Esta segunda-feira, inicia-se um período de consulta pública da proposta, com a duração de 30 dias. A Ordem dos Médicos espera receber contributos dos médicos e de todos os cidadãos, para depois a levar ao Conselho Nacional daquele organismo para discussão.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    11 fev, 2019 évora 15:24
    Não podem por incompetência ? Eles não adoecem as mesmo tempo nem marcam consultas ao mesmo tempo , pois não ? Que serve por exemplo construirem um estádio de futebol novo equivalente ao do Benfica para uma equipa do Distrital , será com isso sobe e disputa lugar com os três primeiros ? Acontece o mesmo com os hospitais novos , para ? O que serve um hospital novo em Évora se a equipa humana não presta em 80% , é a pior massa humana existente na saúde em Portugal ? Com esses dois mil utentes , se o médico for profissional e tiver uma equipa de assistência administrativa capaz , tendo o mês 22 dias úteis , se atender 16 utentes por dia a 30 minutos cada , consegue por mês 300 e tal utentes atendidos , 7 meses chegam para atender os 2000 utentes e ainda tem 5 meses para atender Delegados de Propaganda Médica e discutirem os medicamentos que dão mais comissão e regalias ... tenham mas é vergonha na cara e trabalhem ! Não esqueçam que nas horas vagas e dias de descanso do sistema de saúde pública , muitos médicos vão atender nos privados até se for preciso às 5 da manhã ... quanto mais entrarem euros no bolso melhor ... nem relógios existem .... e nem se queixam de excesso de trabalho , pois tem o sistema público depois para descansarem ... tenham vergonha já não enganam ninguém .