A+ / A-
Brasil

Centro de treinos do Flamengo não tinha certificado contra incêndios

08 fev, 2019 - 18:43 • Lusa com Redação

O incêndio de deflagrou durante a madrugada no Centro de Treinos Ninho do Urubu e vitimou dez pessoas: seis jovens jogadores e quatro funcionários.
A+ / A-

O centro de treinos do Flamengo, onde um incêndio deflagrou esta magruada, não possuía certificado contra incêndios, informaram os bombeiros do Rio de Janeiro.

Segundo a corporação de Bombeiros Militares do Rio de Janeiro, citada pelo jornal "Estadão", o local não possuía o documento que atesta que a instalação está de acordo com a legislação vigente no que diz respeito a dispositivos contra incêndio. No entanto, o corpo de bombeiros frisou que a inexistência desse documento não implica que o local não fosse seguro:

"É importante esclarecer que a não existência do CA não significa, por si só, que o local não possuía os dispositivos, e sim que não era aprovado pelo CBMERJ", ressaltou a corporação, de acordo com o Estadão.

Segundo o jornal "Folha de São Paulo", a área em que o Flamengo construiu o alojamento das suas categorias de formação e que acabou por ser destruído pelo fogo na manhã de hoje, tinha permissão da prefeitura do Rio de Janeiro para funcionar apenas como estacionamento, conforme uma autorização concedida ao clube no ano passado.

As vítimas mortais resultantes do incêndio são quatro jogadores da equipa de juniores do Flamengo, quatro funcionários do clube e dois atletas que estavam no centro de treino em testes. Em 2018, o Flamengo, que é a equipa de futebol mais popular do Brasil, inaugurou uma nova estrutura para a equipa principal e deixou as antigas instalações para os jogadores das categorias jovens do clube.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.