A+ / A-

Governo garante que apoio a Guaidó não coloca comunidade portuguesa em risco

04 fev, 2019 - 15:12 • Lusa

"Os portugueses e luso-venezuelanos não querem sair da Venezuela, querem que a Venezuela saia da atual situação", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros.
A+ / A-

Portugal reconhece e apoia a legitimidade de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela com a missão de organizar eleições presidenciais livres e justas, anunciou esta segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

"Portugal reconhecerá e apoiará a legitimidade do presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente interino, nos termos constitucionais venezuelanos, com o encargo de convocar e organizar eleições livres, justas e de acordo com os padrões internacionais", disse o ministro numa conferência de imprensa em Lisboa.

"A solução para a crise não pode ser de confrontação interna nem de intervenção externa [...] só pode ser uma transição política pacífica através de novas eleições presidenciais", frisou.

Portugal alinha assim com a maior parte dos países da União Europeia. Todos, exceto Itália, reconheceram Guaidó como Presidente interino.

O ministro assegurou que este apoio de Portugal a Juan Guaidó não coloca em risco a comunidade de portugueses e luso-venezuleanos residentes no país, afirmando que, "o que põe em risco" a comunidade "é o agravar da instabilidade política e das condições económicas e sociais".

"Superar o impasse político é a melhor medida [...] para defender os portugueses e luso-venezuelanos. E essa é a nossa preocupação número um", sublinhou.

O ministro escusou-se, contudo, a dar pormenores sobre planos de contingência para apoiar a comunidade portuguesa, alegando que revelá-los pode diminuir a eficácia das medidas, e assegurou que "o melhor plano de contingência é haver uma solução para a atual crise".

"Os portugueses e luso-venezuelanos não querem sair da Venezuela, querem que a Venezuela saia da atual situação", afirmou.

Santos Silva explicou que o apoio a Guaidó, anunciado em concertação com vários outros países da União Europeia (UE), é uma posição política, uma vez que, do ponto de vista jurídico, "os Estados reconhecem Estados e não governos". O Governo de Maduro já reagiu a esta tomada de posição de vários países europeus. Em comunicado, Maduro "rejeita vigorosamente a decisão adotada por alguns governos europeus" e garante que vai rever a relação bilateral com esses países.

Esse apoio político, assegurou, não prejudica o diálogo com as autoridades 'de facto', ou seja, com o governo de Nicolás Maduro, "porque os Estados sabem distinguir bem a relação de natureza política e relação de natureza diplomática e consular".

"Portugal reconhece o Estado da Venezuela e a Venezuela reconhece o Estado de Portugal, por isso temos relações diplomáticas", afirmou.

O ministro recusou por outro lado qualquer divisão na UE, evocando a unanimidade europeia na necessidade de eleições livres na Venezuela e na constituição do Grupo de Contacto internacional, uma iniciativa da UE que reúne países europeus e latino-americanos. Este Grupo de Contacto não conta, no entanto, com a representação das Nações Unidas, anunciou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

"Não queremos escolher quem deve ser presidente. Não queremos intervir em assuntos exclusivamente internos da Venezuela. Queremos eleições livres e justas, organizadas por uma comissão eleitoral de composição equilibrada, segundo regras típicas de uma eleição transparente", insistiu o chefe da diplomacia portuguesa.

Santos Silva anunciou também que irá, ele próprio, à primeira reunião ministerial do Grupo de Contacto: "Estarei presente na primeira reunião [do Grupo de Contacto], na próxima quinta-feira, na capital do Uruguai, Montevideu", declarou.

Santos Silva quis ainda elogiar a comunidade portuguesa e lusodescendente na Venezuela pela forma "ordeira e pacífica" como se tem manifestado e pela "solidariedade impressionante" na proteção dos mais vulneráveis.

"A minha primeira palavra é de agradecimento pelo exemplo que têm mostrado. E, depois, uma palavra de garantia, de apoio Estado português", disse.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.