|
A+ / A-

Jornada Mundial da Juventude

Sem redes sociais nem apps, Maria foi a maior “influencer” da história, diz o Papa

27 jan, 2019 - 00:22 • Filipe d' Avillez (texto), Aura Miguel (enviada ao Panamá) e Inês Rocha (vídeo)

Na vigília com os jovens, Francisco enalteceu o exemplo de um casal que teve recentemente uma filha com deficiência. “Acreditastes que o mundo não é só para os fortes”.

A+ / A-
Sem redes sociais nem apps, Maria foi a maior “influencer” da história
Sem redes sociais nem apps, Maria foi a maior “influencer” da história

O Papa Francisco apresentou esta noite a Virgem Maria como modelo para os jovens, brincando com vários termos e conceitos associados às redes sociais.

Francisco chegou mesmo a dizer que Maria foi a maior das influencers da história. isto é, grandes figuras do mundo das redes sociais, capazes de influenciar modas, opiniões e tendências.

O Papa começou por dizer aos jovens que a vida que Jesus nos quer dar é muito diferente daquilo a que esta geração está habituada. “Essa vida não é uma salvação suspensa na nuvem à espera de ser descarregada, nem uma nova aplicação para descobrir ou um exercício mental fruto de técnicas de crescimento pessoal. Nem sequer um tutorial com o qual apreender as últimas novidades. A salvação, que o Senhor nos dá, é um convite para participar numa história de amor, que está entrelaçada com as nossas histórias; que vive e quer nascer entre nós, para podermos dar fruto onde, como e com quem estivermos.”

“Foi assim que surpreendeu Maria, convidando-a para fazer parte desta história de amor. Sem dúvida, a jovem de Nazaré não aparecia nas redes sociais de então, não era uma ‘influencer’, mas, sem querer nem procurá-lo, tornou-Se a mulher que maior influência teve na história”, disse Francisco.

“Maria, a ‘influencer’ de Deus. Com poucas palavras, soube dizer ‘sim’, confiando no amor e nas promessas de Deus, única força capaz de fazer novas todas as coisas.”

O mundo não é só para os fortes

Antes de falar o Papa ouviu os testemunhos de um grupo de jovens que estão a participar na Jornada Mundial da Juventude, no Panamá. Um dos testemunhos foi do casal Erika e Rogelio, que tiveram recentemente uma filha com deficiência, chamada Inês.

Dirigindo-se ao casal, o Papa disse: “Compartilhastes os vossos medos, dificuldades e todo o risco que vivestes à espera da vossa filha Inês. A dada altura dissestes: ‘A nós, pais, por várias razões, custa muito aceitar a chegada dum bebé portador de doença ou deficiência’. Isso é verdade e compreensível! O facto surpreendente, porém, encerra-se naquilo que acrescentastes: ‘Quando nasceu a nossa filha, decidimos amá-la com todo o nosso coração’.”

“Antes da sua chegada, perante todas as notícias e dificuldades que surgiram, tomastes uma decisão e dissestes como Maria ‘faça-se em nós’, decidistes amá-la. Face à vida de vossa filha frágil, inerme e necessitada, a resposta foi um ‘sim’ e, deste modo, temos Inês. Acreditastes que o mundo não é só para os fortes!”, sublinhou Francisco.

À multidão de jovens reunidos para acompanhar Francisco nesta vigília, no Panamá, o Papa disse que “dizer ‘sim’ ao Senhor é ter a coragem de abraçar a vida como vem, com toda a sua fragilidade e pequenez e, muitas vezes, até com todas as suas contradições e insignificâncias, abraçá-la com o mesmo amor que Erika e Rogelio nos contaram. É abraçar a nossa pátria, as nossas famílias, os nossos amigos como são, mesmo com as suas fragilidades e mesquinhices.”

“Damos também provas de que se abraça a vida, quando acolhemos tudo o que não é perfeito, puro ou destilado, mas lá por isso não menos digno de amor. Porventura alguém, pelo facto de ser portador de deficiência ou frágil, não é digno de amor? Porventura alguém, pelo facto de ser estrangeiro, ter errado, encontrar-se doente ou numa prisão, não é digno de amor?”

Só o que se ama pode ser salvo

Continuando o seu discurso, o Papa sublinhou a importância do amor na história da salvação, apesar de todas as fraquezas dos homens.

“Só o que se ama, pode ser salvo. Só o que se abraça, pode ser transformado. O amor do Senhor é maior que todas as nossas contradições, fragilidades e mesquinhices, mas é precisamente através das nossas contradições, fragilidades e mesquinhices que Ele quer escrever esta história de amor.”

Um dos grandes dramas da humanidade atual, disse Francisco, está precisamente naqueles, incluindo muitos jovens, que não se sentem amados por Deus, muitas vezes porque não se sentem amados ou reconhecidos pelos seus pares.

“Como hão de pensar que Deus existe se, para seus irmãos, há muito que deixaram de existir? Bem sabemos que não basta estar conectado o dia inteiro para se sentir reconhecido e amado. Sentir-se considerado e convidado para algo é mais do que permanecer ‘em rede’. Significa encontrar espaços onde possais, com as vossas mãos, com o vosso coração e com a vossa cabeça, sentir-vos parte duma comunidade maior que precisa de vós e, vice-versa, vós precisais dela também.”

O Papa deixou assim um desafio aos jovens presentes na JMJ, e em todo o mundo, para assumirem como sua a missão de promover uma cultura que respeita a dignidade de todos. “Dizer ‘sim’ a esta história de amor é dizer ‘sim’ como instrumentos para construir, nos nossos bairros, comunidades eclesiais capazes de percorrer as estradas da cidade, abraçando e tecendo novas relações. Ser um ‘influencer’ no século XXI significa ser guardião das raízes, guardião de tudo aquilo que impede a nossa vida de tornar-se ‘gasosa’, evaporando-se no nada. Sede guardiões de tudo o que permite sentir-nos parte uns dos outros, pertencer-nos mutuamente.”

A vigília dos jovens com o Papa Francisco é um dos pontos altos da Jornada Mundial da Juventude. Outro é a missa de envio, domingo de manhã, altura em que Francisco anunciará o local onde se realizará a próxima jornada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.