Tempo
|
A+ / A-

CGD perdeu 580 milhões com empréstimos sem garantias. Conheça os devedores

21 jan, 2019 - 17:14 • Redação

Em empréstimos que totalizavam mais de mil milhões de euros, entre 2000 e 2015, o banco público perdeu mais de metade do dinheiro, segundo um relatório da EY.

A+ / A-

A Caixa Geral de Depósitos concedeu, durante os anos de crise, empréstimos imprudentes em que não respeitou as boas práticas de concessão de crédito e nos quais perdeu 580 milhões de euros.

Os empresários Joe Berardo e Manuel Fino, o grupo Artland e o negócio de Vale do Lobo são os "cabeças de cartaz" do buraco financeiro no banco do Estado.

Estes dados constam do relatório da EY após a auditoria realizada a pedido do Ministério das Finanças. As informações foram reveladas por Joana Amaral Dias, na CMTV, e o semanário Expresso teve acesso ao documento.

A versão preliminar contabiliza que as sete operações beneficiaram de 1.092 milhões de créditos da CGD, no período entre 2000 e 2015.

O ranking

Artland- Obteve um empréstimo de 476,4 milhões de euros, do qual ficou por pagar quase metade (214,4 milhões de euros).

A decisão de a Caixa entrar no capital da La Seda, então uma empresa em forte expansão e que abriu falência em 2013, é de 2006, na gestão de Santos Ferreira. A Caixa acompanha o grupo português Imatosgil que também é acionista.

O projeto teve um empurrão político e um dos objetivos era garantir que a nova fábrica de PTA (um químico utilizado na produção de PET, que é usado na indústria de embalagens de plástico) fosse construída em Portugal.

O investimento de 400 milhões de euros em Sines, classificado como um Projeto de Interesse Nacional (PIN), foi uma das bandeiras do Governo de José Sócrates e do então ministro da Economia, Manuel Pinho.

Em causa estava a criação de 150 postos de trabalho e ao abrigo do qual foi atribuído um incentivo financeiro pelo Estado de 38,8 milhões de euros e benefícios fiscais.

Joe Berardo - É o segundo maior devedor, surgindo na lista através de operações da Fundação Berardo (267,6 milhões) e da sua holding Metalgest (52,5 milhões).

Em causa esteve a entrada na guerra de poder BCP entre Jardim Gonçalves e Paulo Teixeira Pinto, em que a CGD quis interferir.

Para isso, financiou empresários com posições minoritárias no banco para reforçarem a sua posição. Berardo foi um deles. Manuel Fino outro.

As dívidas de Manuel Fino e Joe Berardo, dois grandes clientes da Caixa, foram renegociadas. A Fino, a Caixa ficou com 10% da Cimpor. O empresário madeirense entregou a coleção de arte moderna como garantia ao BES, Caixa e BCP.

Vale do Lobo - A Birchview e QDL são protagonistas do projeto de Vale de Lobo - as duas sociedades já declararam falência. A Caixa foi acionista e financiadora do processo.

Segundo a auditoria da EY, citada pelo Expresso, as duas repartiram 170 milhões. No fim de 2015, a CGD registara um imparidade de 30% do valor que concedera ás duas empresas. O banco público representa 93% dos créditos concedidos à promotora de Vale do Lobo.

O investimento total ascendeu a 222 milhões de euros, mas a parte do empréstimo terá beneficiado de uma descida do spread, segundo se noticiou à época, por intervenção de Armando Vara.

Este empreendimento foi alvo da Justiça no processo Marquês, que tem como principal figura o ex-primeiro-ministro, Armando Vara.

Manuel Fino - A Investfino e Finpro, sociedades do empresário, completam 138,3 milhões de euros de imparidades.

O dinheiro serviu duas finalidades, na luta acionista no BCP que veio reforçar a posição anti-Jardim Gonçalves. A luta foi perdida e o dinheiro também.

A outra finalidade era comprar e expandir a Soares da Costa, uma construtora que já não tem atividade em Portugal. Em 2015, a CGD reconheceu a totalidade do empréstimo como perdido.

O Expresso diz ainda que, de acordo com a análise da EY, as operações da Artlant, Birchview e QDL (Vale o Lobo) foram as mais graves do ponto de vista da concessão inicial do crédito e da avaliação do risco.

As restantes são consideradas de "risco elevado".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Figueiredo
    22 jan, 2019 Póvoa de Varzim 10:55
    E quem são os responsáveis por tamanhos desvarios? Estará a Justiça em campo? E os devedores ainda se ficam a rir?
  • Jorge
    22 jan, 2019 Amaral 10:49
    Lista dos emprestimos do banco "publico" aos CAMARADAS da "Republica" de constituição socialista de e para os CAMARADAS viverem a grande as custas de esquemas do dinheiro das familias ... Qual surpresa ? O sistema de nomenclaturas partidarias pseudo feudal do socialismo é assim mesmo e muoto mais. Portugal claro não conhece representação directa e uninomimal nem judiciario independente. Portugal nao conhece nem democracia nem direita mas o peso do sustento da caracteristica corrupta nomenclatura partidaria do socialismo
  • ze
    22 jan, 2019 aldeia 07:26
    E não há mais ninguém preso??????????
  • Americo
    21 jan, 2019 Leiria 17:43
    É novidade para alguem ? só quem andar distraído. Rapaziada do PS com Sócrates à cabeça.