A+ / A-
​Radiografia 2018

Papa e Joana Marques Vidal são as personalidades do ano para os leitores da Renascença

28 dez, 2018 - 00:34

O ataque à Academia do Sporting e o resgate das crianças numa gruta da Tailândia foram considerados os acontecimentos de 2018.
A+ / A-
Encenações, furacões, paralisações. 2018 explicado em bonecos
Encenações, furacões, paralisações. 2018 explicado em bonecos

Veja também:


Os leitores do site da Renascença elegeram Joana Marques Vidal e o ataque a Alcochete como personalidade e acontecimento de 2018, respetivamente.

A antiga procuradora-geral da República, que deixou o cargo em outubro após seis anos de casos de justiçam que abalaram Portugal, obteve um total de 32% dos votos.

Joana Marques Vidal foi eleita a personalidade nacional de 2018, seguida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, com 20%.

Na terceira posição, com 12%, ficou D. José Tolentino Mendonça, o padre-poeta que o Papa Francisco chamou para arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

O ataque à Academia de Alcochete, a página mais negra da história centenário do Sporting, foi considerado o acontecimento nacional do ano, com 23% dos votos dos utilizadores da página da Renascença na internet.

Em segundo lugar ficaram as demissões e detenções em Tancos, com 19%, e em terceiro o incêndio na serra de Monchique, o maior do ano na Europa, com 14%.

A dança da incerteza no mundo
A dança da incerteza no mundo

No plano internacional, o Papa Francisco foi eleito a personalidade do ano, com 43% dos votos, uma grande vantagem para o segundo classificado, o Presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, com 20%. O Presidente de Angola, João Lourenço, ficou na terceira posição, com 10%.

O acontecimento internacional de 2018 para os leitores da Renascença é o dramático resgate de um grupo de crianças numa gruta da Tailândia, com 36% dos votos.

A revolta dos coletes amarelos em França ficou em segundo lugar, com 13%, seguida da cimeira das Coreias e o encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un, com 12%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera
    29 dez, 2018 Palmela 02:43
    pois é!
  • Filipe
    28 dez, 2018 évora 19:53
    Francamente , parece um filme de terror pois nada mesmo nada tem haver um com a outra . O Senhor protege os Direitos Humanos e a mulher viola os Direitos Humanos . É o mesmo que comparar o Hitler com Jesus . Acusar ? O MP acusa se for preciso um porco que anda de bicicleta sem carta . O que o POVO precisa de saber em concreto , é de quantas acusações resultam condenações transitadas em julgado. Aqui se avalia o MP . Embora uns digam que nada tem haver , mas tem ! O Direito e a Lei é igual para todos . O que e por exemplo um processo com espalhafato Mundial como o E-toupeira que depois dá E-NADA ? Este e muitos casos iguais por aí ... até dá dó ! Essa ex-dirigente responda ; Quantas vezes na história do MP o mesmo acusou e depois pediu absolvição antes da sentença de 1ª Instância ? Quantas ?
  • Helder
    28 dez, 2018 Lisboa 12:19
    A drª Joana Vidal devia começar a pensar e a preparar uma candidatura a PR, seria uma alternativa a papagaios políticos e seria alguém em quem se poderia confiar plenamente e sem medos do poder instalado, como mostrou.
  • Juan carlos Laranjo
    28 dez, 2018 caracas 02:52
    este papa escrevo com letras minusculas verefiquem que em esta pessoa de verdade para mim como Cristao nao serve pesquisem quem è