Tempo
|
A+ / A-

D. Jorge Ortiga pede que comunidades sejam mais acolhedoras neste Natal

21 dez, 2018 - 13:20

“Em nome do Deus Menino, não poderemos ser mais criativos e espontâneos na vivencia do amor no seio das nossas comunidades?”, pergunta o arcebispo primaz.

A+ / A-

O arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, pede às comunidades que se abram a acolher quem vive na solidão.

Na sua mensagem de Natal para este ano, D. Jorge Ortiga lamenta que as sociedades vivam frequentemente divididas por razões ideológicas.

“Vivemos, infelizmente, num mundo dividido entre ideologias e partidos, fações e grupos de interesse. Crescemos quotidianamente na indiferença, fechando-nos nos nossos assuntos e questões, alheados às necessidades dos outros.”

“O bem-estar do Ser Humano exige, por isso, um rumo diferente, que se plasme em ações concretas”, disse D. Jorge.

Na mesma mensagem, o arcebispo primaz refere que a pobreza tem cada vez mais rostos novos e mostra-se preocupado com o isolamento e a solidão de muitos.

“Quero, nesta quadra de Natal, solicitar a todos os cristãos que saiam do seu conforto e construam comunidades acolhedoras. São muitos os que se sentem sós e marginalizados. A pobreza tem, cada vez mais, rostos novos.”

“Preocupa-me a solidão e o isolamento de muitos. Que se abram as portas das nossas comunidades, que todos entrem e encontrem a alegria de serem o que são, sem preconceitos ou juízos”.

A fechar a sua Mensagem de Natal D. Jorge Ortiga deixa um desafio: “Em nome do Deus Menino, não poderemos ser mais criativos e espontâneos na vivencia do amor no seio das nossas comunidades?”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+