|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

PJ faz buscas nas Finanças, Ministério da Defesa e Cruz Vermelha

11 dez, 2018 - 12:30

Informação foi confirmada à Renascença pela Procuradoria-Geral da República.

A+ / A-

A Procuradoria Geral da República confirmou à Renascença que a Polícia Judiciária (PJ) está a realizar buscas a instalações dos ministérios das Finanças e da Defesa e também da Cruz Vermelha Portuguesa.

Em comunicado, o Ministério Público avançou à Renascença que, "ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, al. b) do Código de Processo Penal, confirma-se a realização de uma busca no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Lisboa."

A PJ está acompanhada da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e de vários magistrados. O inquérito está a ser conduzido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Citada pela agência Lusa, fonte da procuradoria-geral distrital de Lisboa disse que em causa estão suspeitas de corrupção passiva, peculato e abuso de poder de altos responsáveis de serviços centrais da Administração Pública do Estado.

A mesma fonte adianta que as diligências "têm por objeto o apuramento de responsabilidades individuais de dirigentes da administração pública da área de serviços com a missão designadamente do controlo financeiro e fiscal do Estado, da área ministerial, incluindo uma instituição humanitária de utilidade pública e uma empresa privada".

Em investigação estão "indícios da prática de atos ilícitos em procedimentos concursais, em ações de fiscalização que lesaram gravemente o Estado nos seus interesses financeiros, tendo como contrapartidas benefícios individuais dos visados".

Na operação estão envolvidos 50 inspetores da PJ, peritos informáticos e financeiros da PJ, seis magistrados do MP e quatro auditores.

A Lusa questionou o Ministério das Finanças sobre as buscas na inspeção-geral, mas fonte oficial referiu apenas que não comentava "processos judiciais em curso".


[Atualizado às 13h40]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.