A+ / A-
Greve dos enfermeiros

"Desde que a greve começou não foi possível operar uma única criança no Santa Maria"

07 dez, 2018 - 09:38

O presidente do Centro Hospitalar Lisboa Norte, que inclui o Hospital de Santa Maria, falou na Manhã da Renascença sobre os efeitos negativos da greve dos enfermeiros, que começou no dia 22 de novembro.
A+ / A-

É “preocupante e dramática” a situação que se vive na pediatria do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, na sequência da greve dos enfermeiros.

“Desde que esta greve começou, desde o passado dia 22 de novembro, não foi possível operar uma única criança no Hospital de Santa Maria na cirurgia pediátrica, o que é preocupante por um lado e dramático por outro”, afirma Carlos Martins, presidente do Centro Hospitalar Lisboa Norte.

Até agora, foram canceladas “sensivelmente 50” cirurgias pediátricas, adianta.

“Somos um hospital universitário, um hospital fim de linha e recebemos na pediatria desde Melgaço até Maputo, ou seja, não só do todo nacional mas da diáspora e começa a ser uma situação nos deixa muito constrangidos”, afirma ainda para deixa claros os efeitos negativos da paralisação.

No total, a greve dos enfermeiros já obrigou, no Hospital de Santa Maria, ao adiamento “de sensivelmente 500 cirurgias programadas”.

“Isto, sem prejuízo de termos, ao abrigo dos serviços mínimos, blocos de urgência a funcionar e sem prejuízo de algumas salas terem, durante este já longo período, terem funcionado e termos conseguido, mesmo assim, realizar cerca de 250 cirurgias programadas”, acrescenta Carlos Martins.

Entre as cirurgias abrangidas pelos serviços mínimos estão as do foro oncológico.

Antes de a greve começar, o Centro Hospitalar Lisboa Norte “fizemos o nosso planeamento no pior cenário possível”, tendo equacionado três soluções.

“Uma, fazer reprogramação dentro do possível; segunda opção, recorrermos a instituições de proximidade do Serviço Nacional de Saúde – o que temos feito, mas também nunca esquecendo que o nosso hospital é altamente diferenciado, ou seja, não podemos recorrer a qualquer instituição, porque teremos de recorrer em primeira linha a instituições de perfil idêntico ao nosso”, explica o presidente daquele centro hospitalar.

Neste “plano B”, a ideia é “recorrer ao serviço público e procurar reagendar com a colaboração dos nossos colegas” de hospitais que não estão a ser afetados como o Santa Maria, como é o caso de São José.

“Plano C: no limite, as nossas equipas saem do hospital. As equipas cirúrgicas vão operar onde tivermos blocos disponíveis. Levamos os doentes, levamos a equipa e operamos. Ou recorremos ao setor privados e ao setor social”, acrescenta Carlos Martins, sublinhando que, nestes casos, haverá sempre a ponderação “do razoável em termos de risco para a qualidade de vida dos doentes”.

Como o Centro Hospitalar Lisboa Norte, também os hospitais de “São João, Santo António e Coimbra” estão a ser afetados negativamente pela greve dos enfermeiros, que começou há 16 dias.

Na entrevista à Manhã da Renascença, Carlos Martins afirma que todos os dias fala com o Ministério da Saúde para, “com toda a transparência”, reportar “o impacto desta greve”.

“Os números falam por si. Quando lhe digo que não conseguimos operar uma única criança nesta grande instituição fim de linha do país e de referência para a diáspora portuguesa, desde o dia 22 de novembro, acho que não preciso dizer mais nada”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    07 dez, 2018 Lisboa 13:32
    É simples. Negociem à séria com os enfermeiros e reponham a justiça na profissão, em vez do simulacro de negociações que não vão a lado nenhum porque a ideia é negociar não negociando, e tentar uma vaga de fundo contra os enfermeiros. Vaga essa que não se vê pois as pessoas percebem que eles têm razão. A culpa disto é obviamente não dos enfermeiros mas de quem anda a brincar as negociações, leia-se, do governo.
  • VICTOR MARQUES
    07 dez, 2018 Matosinhos 12:01
    Que culpa têm as crianças dos comportamentos imorais dos adultos???!!!..."ADMIRÁVEL MUNDO NOVO"....