A+ / A-

Reclusos da prisão de Santa Cruz do Bispo recusaram jantar

05 dez, 2018 - 22:03

Protesto de 200 presos decorreu de forma ordeira.
A+ / A-

Cerca de 200 reclusos do Estabelecimento Prisional masculino de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos, Porto, recusaram-se a jantar esta quarta-feira, disse à agência Lusa fonte da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

"No Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo masculino, de forma absolutamente cordata e ordeira, cerca de 200 reclusos recusaram tomar a refeição do jantar, tendo regressado ordeiramente às celas", afirmou a mesma fonte da DGRSP.

No Estabelecimento Prisional da Covilhã, a diretora, Otília Simões, informou que "houve da parte da população reclusa um pedido de esclarecimento para saber por que não se podia telefonar às famílias".

"Reuni-me com eles [reclusos], expliquei que tem a ver com os serviços estipulados nesta greve", disse Otília Simões, explicando ter assumido o compromisso de expor a situação superiormente.

Segundo Otília Simões, "no estabelecimento ficou tudo calmo, tudo tranquilo e os reclusos regressaram às celas normalmente".

Esta quarta-feira, mais de metade dos reclusos da prisão de Custóias, no distrito do Porto, recusaram-se a almoçar, obrigando os guardas prisionais a disparar balas de borracha para o ar para repor a ordem, disse à Lusa o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), Jorge Alves.

Segundo Jorge Alves, quando foram chamados para o almoço, os reclusos das alas A, B e C da prisão de Custóias recusaram-se a ir para o refeitório e começaram a arremessar bens que tinham nas celas para os guardas prisionais e a causar distúrbios.

O sindicalista adiantou que a direção da prisão, que tem mais de mil reclusos, deu indicações para serem disparados tiros para o ar para repor a ordem e a normalidade, conseguindo deste modo que os reclusos fossem fechados nas celas à força.

Fonte da Direção-Geral de Reinserção e dos Serviços Prisionais (DGRSP) disse à Lusa que não se tratou de um motim, apenas uma parte substancial dos reclusos não quis almoçar.

Na terça-feira, reclusos da ala A do Estabelecimento Prisional de Lisboa amotinaram-se com gritos, queimaram colchões e papéis e partiram algum material, obrigando os guardas prisionais a "usar a força".


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.