A+ / A-

EUA condicionam asilo a migrantes que tenham passado ilegalmente pelo México

09 nov, 2018 - 00:06

É a resposta de Trump à “caravana” de migrantes hondurenhos que quer entrar no país.
A+ / A-

Os Estados Unidos restringem as condições de pedido de asilo para os migrantes, impedindo que pessoas que tenham atravessado ilegalmente a fronteira mexicana possam fazer essa solicitação.

"O nosso sistema de asilo está sobrecarregado com pedidos injustificados de asilo, impedindo-nos de conceder rapidamente asilo àqueles que realmente o merecem", justificou o Departamento de Segurança Interna.

Esta decisão impede que os migrantes que não tenham chegado a território norte-americano através de um ponto de entrada oficial possam apresentar um pedido de asilo.

"De acordo com as nossas leis de imigração, o Presidente [Donald Trump] tem total autoridade para suspender ou restringir a entrada de estrangeiros nos Estados Unidos, se considerar que é de interesse nacional", refere o comunicado.

A decisão pode levar a uma batalha judicial. A organização de defesa das liberdades cívicas ACLU reagiu de imediato.

"A lei americana autoriza especificamente as pessoas a pedirem asilo, quer tenham chegado ou não através de um ponto de entrada", declarou em comunicado Omar Jadwat, dirigente da ACLU.

"É ilegal contornar este princípio, através de uma agência ou de um decreto", considerou.

A caminho dos Estados Unidos estão milhares de migrantes, a maioria hondurenhos, que querem chegar ao país precisamente pela fronteira com o México.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.