A+ / A-

“3 milhões de nós”. Um congresso para “ajudar os jovens a perceber o seu lugar no mundo"

08 nov, 2018 - 22:28 • Ângela Roque

A iniciativa destina-se também a pais, professores e educadores. Organizada pelo movimento católico “Verbum Dei”, é aberto a não crentes e promete, neste sábado, esgotar a Aula Magna da Universidade de Lisboa.
A+ / A-

“O principal objetivo do '3 milhões de nós' (3MN) é dar voz aos jovens, compreender o que ouvem, o que sentem, o que querem dizer, o que sonham”, diz à Renascença Filipa Baptista.

Formada em epidemiologia e saúde pública, pertence à paróquia do Campo Grande e à fraternidade “Verbum Dei”, entidades que estão por trás deste encontro. Explica que a escolha do nome para o evento não foi feita por acaso.

“Escolhemos ‘3 milhões de nós’, porque há três milhões de jovens em Portugal com menos de 25 anos”, explica. Mas a iniciativa não se dirige apenas aos mais novos. “Também se destina aos pais, aos educadores e professores, a todos os que quiserem e tenham interesse nesta temática”.

O congresso está marcado para sábado, 10 de novembro, na Aula Magna da Universidade de Lisboa, e para participar é preciso comprar bilhete (5 euros, com direito a almoço). A apresentação da iniciativa diz que este “é um evento onde se irá debater o presente e o futuro dos jovens portugueses”, que se pretende “dinâmico, envolvente e interativo.

“Vai começar às 9h00, com uma série de partilhas de experiências, em que diferentes oradores irão falar sobre três grandes temas – ‘Eu com os outros’, ‘Eu e a espiritualidade’ e ‘Eu na sociedade'”, explica Filipa Baptista, que garante que esta é uma iniciativa “aberta a todos, incluindo muitos não crentes”.

“Vamos ter oradores de diferentes crenças e fés religiosas e queremos que seja uma discussão realmente plural”, afirma a responsável, para quem o objetivo final do encontro é “apontar caminhos” e “ajudar os jovens a perceber o seu lugar no mundo, e de que forma é que querem contribuir para um mundo melhor”.

Entre os participantes estarão Ricardo Araújo Pereira (que vai falar sobre “espiritualidade sem fé”), José Diogo Quintela, a psicóloga Inês Resende, que trabalha muito com jovens, e o pediatra Paulo Oom, entre outros.

Durante a tarde, haverá mesas redondas sobre voluntariado, convicções e empreendedorismo. “Os intervenientes são pessoas com experiências muito interessantes e que de certeza que vão inspirar aqueles que vão estar ali a ouvir”, garante Filipa Baptista.

A responsável sublinha ainda as qualidades que reconhece nos jovens portugueses, com base na experiência que tem nos grupos que dinamiza na paróquia do Campo Grande: “são jovens altamente empreendedores e criativos”.

O que este congresso também pretende é “dar-lhes espaço e voz. Por isso, vai ser um dia onde queremos desafiar os jovens, mas também queremos ser desafiados por eles”, afirma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.