A+ / A-

Acidentes com bicicleta provocaram 21 mortos em 2017

02 nov, 2018 - 07:14

Estes acidentes são responsáveis por 3,8% do total das vítimas mortais de sinistralidade nos últimos nove anos.
A+ / A-

Os acidentes com bicicletas causaram 21 mortos, 116 feridos graves e mais de 1500 feridos ligeiros no ano passado, em Portugal. São dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, obtidos pela Renascença.

Estes acidentes são responsáveis por 3,8% do total das vítimas mortais de sinistralidade nos últimos nove anos.

A larga maioria dos acidentes resultou de colisão e ocorreu, sobretudo, em vias no interior das cidades e nas estradas nacionais.

Olhando para os últimos nove anos, o número de mortos tem vindo a baixar ligeiramente, nos últimos anos. Pelo contrário, o número de feridos têm subido. No caso dos feridos graves, foram 85 em 2013 e 116 em 2017.

As faixas etárias entre os 50 e os 54 anos, entre os 60 e os 64 anos e maiores de 75 anos são as que registam mais vítimas mortais. Já os feridos ligeiros são, sobretudo, pessoas entre os 30 e os 50 anos.

Quantos aos distritos, o maior número de mortos entre 2008 e 2017 registou-se em Aveiro, seguindo-se Setúbal, Faro e Lisboa.O distrito de Lisboa foi, no entanto, o que teve maior número de acidentes graves e ligeiros.

Regras desrespeitadas

O uso das bicicletas tem vindo a proliferar nas cidades portuguesas. Contudo, muitos ciclistas desconhecem as regras para os condutores dos velocípedes.

Entre as infrações mais frequentes contam-se a velocidade excessiva, a circulação nos passeios, a passagem de sinais vermelhos ou a condução sob o efeito de álcool ou de drogas.

De acordo com a lei, só as crianças até até aos dez anos podem andar de bicicleta nos passeios, desde que não ponham causa a segurança dos peões. Os restantes ciclistas só podem circular nos passeios para acesos aos prédios, por exemplo. Em caso de incumprimento, estão previstas multas entre 60 e 300 euros.

Atravessar de bicicleta nas passadeiras também só é permitido a crianças até aos dez anos. Os outros ciclistas têm de descer da bicicleta e atravessar a pé, levando a bicicleta pela mão.

É também proibido fazer acrobacias com a bicicleta na via pública. Por exemplo, não se pode circular sem as mãos no guiador ou com os pés fora dos pedais, nem,por exemplo, levantar uma das rodas. Nestes casos, a multa pode chegar aos 150 euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • RR
    08 nov, 2018 Lisboa 11:54
    https://youtu.be/g4jBpdTicRI
  • Mac Rodas
    05 nov, 2018 Lisboa 20:00
    Não entendo como um artigo destes é publicado sem o mínimo de sentido ... Não percebo se foi a bicicleta, o ciclista ou o que quer que seja que provocou o acidente ou a morte ... de quem ou do quê? Dos peões, dos automobilistas, dos animais ??? Um mínimo de seriedade por favor ... Só os cilcistas têm deveres?? E os peões? E os automobilistas?? Hoje em dia confesso que me sinto mais inseguro numa ciclovia do que na estrada... Vias de circulação exclusiva para bicicletas, (também vem no código da estrada)!!!??? ... já lá vi de tudo, bebés a gatinharem, cãezinhos com trela de um lado ao outro, pessoas com andarilhos no meio da ciclovia, tenho uma lista interminável e ultimamente a loucura que é andar de trotinetes elétricas, patins em linha, skates, overboards (mais uma enchente no próximo natal) ... E vem um artigo esclarecer tudo o que era necessário com mais uma ladainha ... Tenham juízo, por favor...
  • Martins
    05 nov, 2018 LX 10:14
    Excelente artigo. E de facto existem muitos ciclistas que devem achar que pelo facto de irem de bicicleta podem não cumprir o código. Passam semáforos vermelhos, andam à molhada ocupando e obstruindo as vias (então ao fim de semana é vê-los!). Portanto, é como alguém já disse e bem. Cumprir o código, carros nas vias próprias, ciclistas na ciclovias e peões nos passeios. Agora não venham para aqui penalizar a RR...
  • Manuel Barros
    04 nov, 2018 Porto 18:16
    É um tipo de notícia que considero tendencioso, pois dá a entender que os ciclistas é que são os principais causadores das mortes e feridos mencionados. Pergunto ?: Quantos automobilistas foram mortos ou ficaram gravemente feridos devido aos ciclistas?, e, quantos destes acidentes se referem a ciclistas que foram mortos por automobilistas? Se os ciclistas se sentissem seguros na estrada, por serem respeitados pelos automobilistas, tendo os cuidados que vem descritos no CE, antes de ultrapassar? (reduzir a velocidade, e apenas ultrapassar na outra faixa de rodagem, mantendo uma distância mínima de 1,5 metros,) andariam no passeio? Concordo que deve haver civismo e respeito, entre todos, mas este deve ser mais respeitado por quem se desloca num veículo com toneladas de massa, que se desloca, facilmente a 50, 60 100 Km/Hora, do que quem transporta com a sua energia numa máquina cujo peso será pouco superior a 10 Kg e se desloca a velocidades que raramente ultrapassam os 20 Km/Hora.
  • mnunes
    03 nov, 2018 Setubal 19:47
    Quem escreve desta maneira é PALHAÇO ! Só falta dizer que os ciclistas atropelam e colidem com as viaturas e fogem ......
  • Luis
    03 nov, 2018 Porto 15:52
    Pelo artigo ficamos com a ideia que os mortos foram causados por circular nos passeios! Parece um daqueles artigos por bots XD
  • Filipe Jorge
    03 nov, 2018 Corroios 13:21
    E também e proibido aos automobilistas pararem em cima das passadeiras, em cima dos passeios e no meio de cruzamentos fazendo com que muitos ciclistas tenham que passar essas zonas a pé com a bicicleta pela mão, mas aqui ninguém sabe fazer comentários só sabem dizer o que é proibido para os ciclistas. Isto é uma treta de país.
  • ACP
    03 nov, 2018 ACP 11:42
    Carros para as estradas, bicicletas para as ciclovias, peões para os passeios e os problemas quase desaparecem
  • JOAQUIM M LOPES
    02 nov, 2018 LISBOA 19:23
    Anualmente MORREM mais de 500 pessoas em Portugal vitimas de acidentes com veiculos motorizados (ligeiros, pesados e motos). Para já não falar nos milhares de feridos vitimas de muitos desses acidentes. E a Radio Renascenca ao invés de falar disso fala dos acidentes com bicicletas, sem sequer mostrar factos sobre as suas causas. Uma vergonha de jornalismo. Estão a mando do ACP e da sua cruzada contra as bicicletas na estrada?
  • Nuno Quaresma
    02 nov, 2018 Lisboa 14:53
    Em 2005, numa altura em que se andava muito menos de bicicleta, morreram 42 pessoas em acidentes de bicicleta o dobro que em 201). Este número tem vindo tendencialmente a descer acompanhando o aumento de bicicletas a circular. Curioso o artigo não fazer esta reflexão. Parece RR iniciou uma cruzada contra as bicicletas, a julgar pela falta de isenção das últimas notícias relacionadas com este tema. Pede-se aos editores alguma seriedade jornalística. Este tipo de artigos prestam um mau serviço informativo, e parecem estar a servir uma opinião pessoal enviesada.