A+ / A-

Brasil. Haddad defende “diálogo” e não “revólver na cintura"

12 out, 2018 - 00:25

Candidato está em segundo lugar nas sondagens para a segunda volta de dia 28 de outubro.
A+ / A-

O candidato à Presidência do Brasil Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), diz que a bipolarização política do país deve ser resolvida através do diálogo "sem revólver na cintura".

“Nós aqui precisamos de diálogo, precisamos sentar à mesa com as pessoas sem revólver na cintura. É [preciso] outra filosofia para fazer este país entender-se. Só o facto de [Jair] Bolsonaro ter passado para a segunda volta fez a violência explodir. É relato de morte, de facada", disse Fernando Haddad em entrevista ao portal Metrópole.

O candidato referia-se ao aumento dos casos de violência supostamente praticados por apoiantes de Bolsonaro, como o caso de um capoeirista assassinado um dia depois da primeira volta após declarar ser eleitor do PT e o de uma jovem que diz ter sido atacada porque usava uma camisola com o slogan da campanha "Ele Não", o movimento que não quer Bolsonaro no Palácio do Planalto.

O caso desta jovem de 19 anos, que teve a identidade protegida pelas autoridades policiais, ganhou grande visibilidade porque a vítima teria sido cercada por homens desconhecidos na cidade de Porte Alegre que lhe desenharam na barriga uma suástica com um canivete.

"Quem é que vai fazer uma suástica no corpo de uma mulher a canivete? Quem é que tem apreço por regimes autoritários? Quem é que defende tortura? Ele não defende tortura numa sala reservada, defende isto na televisão", acusou Haddad, referindo-se a Jair Bolsonaro que fez declarações polémicas em defesa da tortura.

O candidato do PT acrescentou que o seu adversário "defendeu extermínio de opositores, a tortura, inclusive de mulheres, como aconteceu com Miriam Leitão [uma jornalista brasileira] a quem ele ofendeu", concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    12 out, 2018 PORTO 10:03
    ESTE HADDAD (É CADA NOME QUE NÃO LEMBRA AO DIABO, SAIU-ME UM POETA ..... VAI MORRER LONGE, PÁ.
  • Atento
    12 out, 2018 Leça da Palmeira, Matosinhos 09:24
    ... a independência esquerdalha da RR a refinar ... o habitual ...