A+ / A-

Furacão fez sete mortos nos Estados Unidos

11 out, 2018 - 23:10

Autoridades estão agora a analisar o rasto de destruição.
A+ / A-
Furacão "Michael" faz dois mortos nos Estados Unidos
Furacão "Michael" faz dois mortos nos Estados Unidos

O furacão “Michael” fez, pelo menos, sete mortos nos Estados Unidos.

A tempestade chegou ao estado norte-americano da Florida com ventos de quase 250 quilómetros/hora.

O “Michael” foi avançado por terra firme e perdendo força já nos estados de Georgia, Carolina do Norte e Virginia e avança agora com ventos de 80 quilómetros/hora.

A destruição foi grande à passagem de uma das mais fortes tempestades de que há registo no país. O furacão destruiu ruas inteiras de casas e estabelecimentos comerciais, derrubou árvores, arrancou estruturas e levou muitos destroços para as estradas, com a zona de México Beach a ser das mais afetadas.

O governador da Florida, Rick Scott, a destruição é “bem maior do que foi antecipado”. "Tantas vidas foram mudadas para sempre. Tantas famílias perderam tudo", referiu.

Cerca de 950 mil habitações e empresas ficaram sem luz na Florida, Alabama, Carolina do Norte e Sul e Georgia. Há ainda 20 mil pessoas a viver em abrigos.

As equipas de resgate já estão nas zonas mais afetadas pelo furacão, existindo informações de centenas de pessoas que não obedeceram às ordens de retirada, com o seu paradeiro a ser desconhecido. As autoridades ordenaram a retirada de mais de 375 mil pessoas nas áreas mais afetadas pela passagem do furacão, lamentando que muitas pessoas tenham ignorado os avisos.

Para trás, no seu percurso nas Caraíbas, o furacão já provocou 13 mortos em El Salvador, Honduras e Nicarágua, segundo as agências oficiais de resposta a situações de emergência, por quedas de telhados e arrastamento de pessoas em enxurradas, e destruição extensa em Cuba.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Taveira
    12 out, 2018 Teixogo 14:37
    A culpa é de Trump!