A+ / A-
Exclusivo Renascença

​Tancos. Defesa dos militares vai alegar interesse nacional

09 out, 2018 - 12:16 • Redação com Ana Rodrigues

Advogado de um dos militares detidos diz que houve uma “operação tendente a privilegiar e a salvaguardar o interesse nacional”.
A+ / A-

A defesa dos militares implicados no caso de Tancos vai alegar interesse nacional para justificar a atuação desses elementos no caso.

Em declarações à Renascença, o advogado do major Pinto da Costa, um dos elementos da Polícia Judiciária Militar que foram detidos, revelou que será essa a sua estratégia.

“Houve uma operação tendente a privilegiar e a salvaguardar o interesse nacional. Pegar-se na defesa do interesse nacional e pura e simplesmente transformar-se isso num crime, parece-nos que é longe demais”, argumenta o advogado João Magalhães.

“Todos os países tomam posições protetivas relativamente aos outros países do mundo naquilo que é a procura do interesse nacional”, acrescenta.

João Magalhães compara este caso ao processo Fizz, que apontava o antigo vice-presidente de Angola Manuel Vicente como suspeito de corrupção ativa. O processo foi separado e entregue às autoridades angolanas. Esta decisão foi defendida por Marcelo Rebelo de Sousa, alegando estar em causa o interessa nacional. Magalhães considera que o mesmo argumento pode ser usado neste caso.

“O Ministério Público tem legitimamente o direito de ir à procura de responsabilidade do ponto de vista processual penal. No entanto, tal como no processo Fizz, o comentário que eu ouvi do excelentíssimo senhor Presidente da República foi de que, de alguma forma, o interesse nacional esteve superiormente em discussão relativamente à prossecução penal”, explica.

O furto das armas dos paióis de Tancos foi detetado a 28 de junho de 2017 e reconhecido pelo Exército português no dia seguinte. A 18 de outubro do mesmo ano foi encontrado, na Chamusca, o material de guerra furtado.

A 25 de setembro de 2018 o diretor da Policia Judiciária Militar, entre outros militares e um civil, foi detido. O Ministério Público esclareceu que as detenções foram feitas no âmbito de uma investigação ao aparecimento das armas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • D. Dinis
    09 out, 2018 Pinhal de Leiria 22:45
    Que interesse nacional? Sim, o interesse de defender o governo, depois dos incêndios de Junho e Outubro de 2017, perante a opinião pública.