A+ / A-

Deputados visitam exposição de Robert Mapplethorpe em Serralves

04 out, 2018 - 08:03

Deputados da comissão parlamentar de Cultura vão visitar a exposição, para ouvir o diretor demissionário do museu e a administração da Fundação de Serralves.
A+ / A-

Os deputados da comissão parlamentar de Cultura visitam esta quinta-feira a exposição dedicada a Robert Mapplethorpe, no Museu de Serralves, no Porto, de acordo com a agenda parlamentar.

A vista a Serralves ficou definida depois de aprovados, pela comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, na passada semana, os requerimentos do Bloco de Esquerda (BE) e do Partido Socialista (PS), para a realização de audições do diretor demissionário do museu, João Ribas, e da administração da Fundação de Serralves.

O diretor do Museu de Arte Contemporânea de Serralves demitiu-se a 20 de setembro, após a inauguração da mostra "Robert Mapplethorpe: Pictures", que comissariou, por entender que não tinha condições para prosseguir o trabalho, depois de terem sido definidas zonas reservadas na exposição, e de o seu universo ter sido reduzido de 179 para 159 obras.

Fotografias de nus, retratos de artistas como Patti Smith ou Iggy Pop e imagens de cariz sexual compõem a primeira exposição em Portugal do fotógrafo norte-americano.

Durante os primeiros dias, Serralves reservou uma das salas a maiores de 18 anos, com obras consideradas mais sensíveis.

Ribas disse, num comunicado divulgado na quarta-feira, dia 26 de setembro, que se demitira por entender que "não é admissível que a liberdade e a autonomia do diretor sejam desrespeitadas", defendendo que o cargo "é incompatível com ingerências, pressões ou imposições que limitem a sua autonomia técnica e artística".

Segundo Ribas, ao programar "Pictures", de Mapplethorpe, teve de lidar com "restrições e intervenções", por parte da administração da fundação, que levaram a "um ponto de rotura".

Essas restrições, de acordo com o diretor demissionário, tiveram consequências na "conceptualização expositiva", e obrigaram a "sucessivas reorganizações", nomeadamente "na exibição de determinadas obras e na localização de outras", o que levou a uma "descontextualização profunda" da mostra e a uma alteração dos trabalhos selecionados, de modo a que "a exposição fosse um todo coerente" e "se promovesse de modo adequado o conhecimento e o diálogo social protagonizados por Robert Mapplethorpe".

Segundo o diretor demissionário, estavam inicialmente selecionadas para exposição 179 obras, mas esse número teve assim de ser reduzido para 161, pelas interferências e, depois, "no dia da inauguração", de novo limitada a 159.

O conselho de administração da Fundação de Serralves, por seu lado, garantiu, no mesmo dia, não ter mandado retirar qualquer obra da exposição do fotógrafo Robert Mapplethorpe, num encontro tido com a imprensa.

"Em Serralves não há, nem nunca houve censura, nem nunca sob a nossa responsabilidade haverá censura. Mas também não haverá complacência com a falta de verdade, nem fuga às responsabilidades", disse a presidente de Serralves, Ana Pinho.

As audições do diretor demissionário do museu e da administração da fundação deverão ser marcadas após a visita dos deputados à exposição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A fundação é privada
    04 out, 2018 Amadora 09:43
    Espero que haja deputados com decoro suficiente para se recusarem a tal papel.