Tempo
|
A+ / A-

Bispo suspenso na Índia por suspeita de violar freira

20 set, 2018 - 14:30

Franco Mulakkal é acusado por uma freira de a ter violado repetidamente durante dois anos. O bispo nega as suspeitas e pediu para ser suspenso enquanto se defende.

A+ / A-

O Papa Francisco aceitou esta quinta-feira o pedido de suspensão temporária de um bispo indiano, acusado por uma freira de a ter violado.

O bispo Franco Mulakkal está a ser interrogado pela polícia a propósito de alegações de que terá violado repetidamente, ao longo de dois anos, uma freira da sua diocese. Mulakkal não foi acusado formalmente, mas terá pedido dispensa enquanto se defende.

Trata-se de mais um caso de abusos sexuais praticados especificamente por bispos, numa altura em que a Igreja americana está a braços com os efeitos do escândalo do ex-cardeal McCarrick, que para além de ser suspeito de abuso de menores, terá mantido durante anos uma rede de jovens seminaristas e padres com quem mantinha relações sexuais.

O bispo Mulakkal dirige a diocese de Jalandhar, no Estado de Kerala, no sul da Índia. Kerala é o segundo estado com maior percentagem de cristãos em toda a Índia, a seguir a Goa. Os fiéis, na maioria membros da Igreja Siro-Malabar, uma igreja católica de rito oriental, constituem 19% da população total. Existem ainda outras confissões cristãs, católicas e ortodoxas. O Cristianismo nesta zona da Índia antecede a chegada dos europeus por vários séculos.

O caso dos alegados abusos sexuais desta freira por parte do bispo já era conhecido há várias semanas e tinha levado a protestos contra a hierarquia da Igreja indiana por parte de leigos e de religiosas.

[Notícia atualizada às 12h03 de 21/09/2018]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+