Tempo
|
A+ / A-

Papa Francisco dá mais poder ao sínodo dos bispos

18 set, 2018 - 11:37 • Aura Miguel

Documento, com 27 artigos, revoga as normas vigentes, alargando esta estrutura por diferentes fases.

A+ / A-

A nova constituição apostólica “Episcopalis communio”, sobre a estrutura do Sínodo dos bispos, alarga a sua representação e competências e prevê a possibilidade de assembleias deliberativas, cujas conclusões serão integradas no magistério ordinário.

Este documento, com 27 artigos, revoga as normas vigentes, alargando esta estrutura por diferentes fases sinodais: a fase preparatória; a fase celebrativa; a fase de executiva da Assembleiae e a Secretaria Geral.

O objetivo é transformar o sínodo de “evento” em “processo”. Fundamental, diz o documento, é a participação do povo de Deus na fase preparatória, pois “toda a Igreja é chamada a realizar um caminho sinodal”, que deve envolver diretamente as igrejas locais.

O Papa não quer o sínodo afastado da vida concreta das comunidades e por isso este documento é mais um passo na “salutar descentralização” desejada por Francisco na sua exortação apostólica “Evangelii gaudium”, publicada no início do seu pontificado.

O sínodo dos bispos foi introduzido por Paulo VI, em 1965, após os Concílio Vaticano II, para reforçar os vínculos entre o Papa e os bispos, para “governar a Igreja de Deus”, com assembleias periódicas em Roma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+