Tempo
|
A+ / A-

​D. Jorge Ortiga denuncia “anomalias no desporto” e pede mais solidariedade

19 jul, 2018 - 16:12 • Isabel Pacheco

Arcebispo Primaz de Braga apresentou carta pastoral dedicada ao desporto, na qual se pede reflexão a dirigente, atletas, adeptos, claques e comunicação social.

A+ / A-

O Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, lembra que “sem valores não há desporto” e pede uma mudança de comportamentos que ponha fim aos “muitos sintomas de anomalias” que se vive no deporto.

O apelo foi feito esta quinta-feira pela Arquidiocese de Braga, na carta pastoral dedicada ao desporto, na qual se pede também uma sociedade desportiva mais solidária.

D. Jorge Ortiga dirigiu-se diretamente aos protagonistas, começando pelos dirigentes e atletas, mas, também, aos adeptos e às claques que “deviam promover o sentido de festa e de alegria e promovem atos de violência e de terror”, lamenta o prelado.

A violência é outra dessa “anomalias”, aponta D. Jorge que acrescenta “a corrida desenfreada ao dinheiro a desconsideração pelos outros e, por vezes, um certo racismo”, como outros dos males do desporto.

Para o Arcebispo de Braga estas são atitudes que merecem a “reflexão” de todos incluindo a comunicação social, a responsável, diz, por “muitos dos problemas” que nascem fora do estádio.

“Hoje joga-se mais diante do micro que nos estádios e muitos dos problemas nascem porque um diz uma coisa e outro diz outra e incendeiam-se”. Daí, que seja urgente “voltar a colocar o desporto dentro dos estádios e não permitir que se alimentem conversas intermináveis com verdades parciais”, apela.

O desafio é dirigido em “particular ao futebol que movimenta milhões e milhões” refere o prelado de Braga que admite que “seria bom” ver parte desse dinheiro colocado “ao serviço do bem comum”.

A arquidiocese de Braga apresentou, esta quinta feira, a sua carta pastoral dedicada ao Desporto como “Escola e Missão de Humanidade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+