Tempo
|
A+ / A-

​Rio apoia contagem do tempo de serviço dos docentes, mas sem pôr finanças em causa

26 jun, 2018 - 22:30

600 ou 200 milhões? Líder do PSD pergunta ao Governo quanto custa a medida.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, defende que é justo contar o tempo todo de serviço dos professores, sem colocar em causa as contas públicas, salientando a diferença entre o custo da medida avançado pelos sindicatos e pelo Governo.

"Não tenho os dados para fazer essas contas, mas da forma como foi explicado, dá-me ideia que [os sindicatos] o fizeram com rigor. Há aqui uma margem muito grande, entre 600 e tal milhões e 200 e tal milhões", afirmou Rui Rio aos jornalistas, esta terça-feira.

Após receber uma delegação de sindicatos de professores na sede do partido, em Lisboa, o líder social-democrata considerou que "é justo contar o tempo todo, porque os salários dos professores não são elevadíssimos", mas salvaguardando que "ninguém deve pôr em causa o equilíbrio das finanças públicas".

"Obviamente que é muito diferente acomodar 650 milhões de euros ou acomodar 250 milhões, e é muito diferente acomodar num ano, em dois, quatro, cinco, seis ou sete", declarou.

Rui Rio afirmou que só com as contas que o Governo não fez quando se comprometeu com a medida é que se pode saber "em que medida é possível cumprir aquilo que é justo, que é contar o tempo todo, os tais nove anos".

"O Governo quando se comprometeu, o PSD não se comprometeu, deveria saber exatamente quanto custava e que tempo precisava, que prazo precisava, para contar o tempo todo e pagar tudo aquilo que é justo que seja pago", insistiu.

O presidente do PSD esteve reunido durante mais de duas horas com organizações representativas dos professores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+