A+ / A-

Fenprof contra serviços mínimos "ilegais"

26 jun, 2018 - 21:17

Mário Nogueira afirma que “o acórdão manda fazer coisas ilegais. Isto é estranho”.

A+ / A-

O acórdão que decreta serviços mínimos à greve dos professores está manchado de ilegalidades, acusa Mário Nogueira, dirigente da Federação Nacional de Professores (Fenprof).

Os sindicatos de professores estão a ponderar pedir uma aclaração da decisão do colégio arbitral que decretou que os serviços mínimos se vão aplicar aos conselhos de turma, revelou o sindicalista.

“O acórdão diz que as reuniões se devem fazer com 50% mais um e esse é o quórum. Isso é ilegal, porque o quórum das reuniões de conselho de turma está definido em legislação própria”, disse o dirigente da Fenprof.

No final de uma reunião com Rui Rio, o líder do PSD, Mário Nogueira afirmou que “o acórdão manda fazer coisas ilegais. Isto é estranho”.

“O acórdão diz que os diretores devem recolher notas antecipadamente ao conselho de turma a professores que não forem porque estão em greve. Isto é ilegal. Aliás, eu nem sei bem como fará uma escola em que um professor, cedendo a sua proposta de avaliação, coloca à frente da proposta uma nota que diga: dependendo de decisão final do conselho de turma. Depois como é que é se as pessoas não estão no concelho de turma”, sublinha o dirigente da Fenprof.

As greves às avaliações convocadas pelos sindicatos dos professores terão serviços mínimos, anunciou esta terça-feira o Ministério da Educação.

A decisão é do colégio arbitral que deliberou, por unanimidade, que os “conselhos de turma relativos aos 9.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade devem realizar-se até à data limite de 5 de julho, a fim de emitirem a avaliação interna final”, indica, em comunicado, o gabinete do ministro Tiago Brandão Rodrigues.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    27 jun, 2018 Seixal 18:21
    Para este tipo é tudo ilegal, até o que foi deliberado por um juiz é ilegal, apenas as reivindicações que ele exige são legais. Mesmo que o governo tenha de aumentar os impostos, querem é mamar os 9 anos 4 meses e 2 dias com o argumento de uma promessa, o resto não interessa. Apenas nós professores temos esse "direito", os outros funcionários do estado que se encontram na mesma situação que se danem. Os professores, são das classes trabalhadoras do estado mais bem pagos, mas nunca estão satisfeitos, estão constantemente a revindicar mais mordomias, mais dinheiro e menos horas de trabalho, sem reflexo nenhum no aproveitamento escolar dos alunos. Tenham vergonha.

Destaques V+