A+ / A-

Cuidadores informais querem subsídio. “Damos a ganhar ao Estado muito dinheiro”

16 mar, 2018 - 09:30

Uma das peticionárias a favor da criação do Estatuto do Cuidador Informal lembra que muitas vezes têm de deixar de trabalhar e asseguram despesa com lares, fraldas e cremes.
A+ / A-
Testemunho de Anabela Lima, cuidadora informal.
Testemunho de Anabela Lima, cuidadora informal.

O Parlamento discute esta sexta-feira os projetos legislativos para a criação do estatuto do cuidador informal da pessoa com doença de Alzheimer e outras demências. O objetivo é conferir direitos a quem cuida de crianças ou adultos dependentes, como dias de descanso e maior flexibilidade nas ausências ao trabalho.

O debate surge depois da entrega de uma petição, que reuniu 14.000 assinaturas, que solicita, entre outras medidas, "o devido reconhecimento social e jurídico" dos cuidadores, o direito a uma redução do seu horário laboral em 50%, sem perda de vencimento, o apoio de terceira pessoa na assistência ao cuidador e o direito a uma pensão de sobrevivência mensal após a morte do doente.

Em entrevista ao programa Carla Rocha – Manhã da Renascença, Anabela Lima, uma das peticionárias, garante que “não têm qualquer ajuda”.

Anabela Lima teve de deixar de trabalhar e apenas recebe “uma reforma mínima do marido”.

“Tenho de pagar o lar, fraldas e cremes. Nesta fase em que já está acamado, os cremes já são muito específicos e são considerados um luxo, taxados a 23% [de IVA]”, lamenta.

Anabela Lima reclama por isso o direito a receber um subsídio. “Damos a ganhar ao Estado muito dinheiro porque somos nós que cuidamos deles”, remata.

Os deputados vão debater em plenário o projeto de lei do Bloco de Esquerda que cria o Estatuto do Cuidador Informal e um projeto de lei do PCP que reforça o apoio aos cuidadores informais e às pessoas em situação de dependência

Serão também debatidos um projeto de resolução do CSP-PP, que recomenda ao Governo que considere as demências "uma prioridade social e de saúde pública" e elabore um Plano Nacional de Intervenção para as Demências, e um projeto de resolução do PAN que recomenda ao Governo a adoção de medidas de apoio aos cuidadores.

Em Portugal serão cerca de 800 mil, os cuidadores que têm a seu cargo pessoas dependentes, como crianças com deficiência ou idosos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    16 mar, 2018 aveiro 17:57
    A estadia em Lar , e são poucos . é só para quem tem fortes reformas ( em media 1200€ mensais) , mais se idas ao médico , urgências , transportes etc... . Em termos de vagas ditas "Sociais" são quasi inexistentes . Sem contar com a maratona necessária para inscrições em todos os que existem , as IPSS's privadas , são instituições que tem de ter lucro para pagar Salários , e nem sempre dispensam os melhores cuidados !