Tempo
|
A+ / A-

Mais de 34 mil animais abandonados em 2016. Governo lança campanha para pôr fim a este "facto infeliz"

14 mar, 2018 - 09:41

"Ter um animal de companhia implica uma responsabilidade", afirma o ministro da Agricultura, na Manhã da Renascença.

A+ / A-

O Governo quer que os portugueses tenham um papel mais ativo na proteção dos animais de estimação e lança, nesta quarta-feira, uma campanha de sensibilização dirigida aos donos de animais de companhia.

A campanha “tem um duplo objetivo: sensibilizar os cidadãos para a adoção de animais e, ao mesmo tempo, sensibilizar os detentores de animais para uma atitude responsável que não conduza ao abandono”, anuncia o ministro da Agricultura na Manhã da Renascença.

“É um drama que tem vindo a agravar-se nos últimos anos – felizmente, com uma ligeira redução no ano passado – mas em 2016 registou-se o abandono de 34.146 animais de companhia em 2016”, acrescenta.

Capoulas Santos reconhece que “a sociedade portuguesa tem vindo a adotar uma atitude cada vez mais consciente e responsável no que diz respeito aos maus tratos dos animais”, mas, face à lei aprovada em agosto do ano passado, que “proíbe a eutanização de animais recolhidos pelas câmaras municipais”, há que fazer mais para reduzir o número de animais abandonados.

“Se não fizermos algo, tornar-se-á insustentável o alojamento crescente” destes animais”, sustenta.

“É necessário que a sociedade tome cada vez mais consciência de que deter um animal de companhia implica uma responsabilidade: a responsabilidade de cuidar dele durante toda a sua vida e cuidar dele em termos que o respeitem – em termos de alimentação, de recreio, de cuidados de saúde…”, reforça.

O ministro não prevê, para já, a criminalização dos maus-tratos a animais, mas refere que “a legislação certamente tenderá a ser, no futuro, cada vez mais severa se os comportamentos não foram alterados”.

“Daí que a nossa preocupação incida na alteração desses comportamentos negativos e é por isso que esta campanha vai ser lançada”, sublinha.

Dois milhões para a esterilização

Face à lei que proíbe que os animais abandonados sejam abatidos como medida de controlo das suas populações, “o Governo decidiu, através dos ministérios da Agricultura e da Administração Interna, disponibilizar no Orçamento do Estado deste ano cerca de dois milhões de euros para criarmos centros de esterilização”.

O dinheiro visa “apoiar financeiramente as câmaras municipais” para criarem tais centros, “com boas condições de higiene e equipamento”; bem como “a modernização e construção, no caso onde ainda não existam, dos chamados centros de recolha oficial de animais”, anuncia Capoulas Santos.

O objetivo é que os animais “possam ser condignamente acolhidos”.

Uma adoção responsável

A campanha hoje lançada apela também à adoção de animais abandonados, mas essa adoção tem de ser “consciente” das responsabilidades que acarreta.

“Muitas vezes adquire-se ou adota-se um animal enquanto ele é pequenino e engraçadinho e, logo que cresce ou o proprietário acha que se tornam demasiadas complexas as tarefas do dia-a-dia para sua manutenção, [o animal] acaba no abandono”, critica o ministro da Agricultura.


“É isso que queremos reduzir e, desejavelmente, eliminar”, resume Capoulas Santos, na Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    15 mar, 2018 Porto 15:25
    (Des)acordo ortográfico à parte, o que me impressiona é a quantidade (trinta e quatro mil) animais (cães) abandonados e três treinadores para 17 mil animais perigosos (cães). E se essa malta fosse conversar a pau com os ursos ? Não seria mais agradável ?
  • ZÁz
    14 mar, 2018 Sartá 19:08
    "facto infeliz"... Então senhores jornalistas, não se cumpre o acordo ortográfico??!
  • No país da diversão
    14 mar, 2018 Lisboa 13:01
    Facto infeliz é colocar os animais acima do ser humano! Lembro que há os sem abrigo, os desempregados, os ignorados. E que não se pode abandonar um animal, mas pode-se abandonar uma ser humano. Chega de manipulação e de passar a ideia de um país quase perfeito quando tem muito de imperfeito. O mau jornalismo que temos também coloca os animais acima do ser humano!
  • Alves
    14 mar, 2018 Redol 10:29
    Isto só prova que há ANIMAIS a mais no nosso planeta...

Destaques V+