Tempo
|
A+ / A-

Renúncias quaresmais apoiam projetos em Portugal, África, Ásia e Médio Oriente

21 fev, 2018 - 20:08 • Ecclesia

Vítimas dos incêndios de 2017 e cristãos perseguidos pelo Estado Islâmico vão receber ajuda das comunidades católicas portuguesas.

A+ / A-

As dioceses católicas portuguesas vão destinar as renúncias quaresmais a apoiar diversos projetos internos, recordando também as vítimas dos incêndios de 2017, e de ajuda a países de África e Médio Oriente, com destaque para o apoio aos cristãos perseguidos.

As dioceses insulares, Angra, nos Açores, e o Funchal, na Madeira, vão ajudar respetivamente as vítimas dos incêndios de 2017 e a reconstrução das casas dos cristãos no Iraque, através da Fundação Ajuda a Igreja que Sofre, bem como o Fundo Social Diocesano.

A Diocese do Funchal informa que a renúncia vai ser destinada em partes iguais para os dois fins.

D. José Alves, arcebispo de Évora, na sua mensagem fez “um veemente” apelo também a favor dos cristãos da Síria, onde a guerra civil dura há oito anos e já provocou 400 mil mortos, cinco milhões de refugiados e oito milhões de deslocado internos.

A Igreja Católica em Setúbal vai nesta Quaresma apoiar a nova comunidade do Segundo Torrão – Trafaria e os cristãos na Síria e no Iraque.

Os católicos no território da Diocese de Leiria-Fátima vão ajudar os cristãos perseguidos no Iraque e no Paquistão, através da Fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre.

O bispo de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira, informou que com o Conselho Episcopal decidiram que a partilha fraterna vai internamente para a catedral, como ajuda para “as obras de restauro”.

A diocese do Alto Minho vai apoiar a Diocese de Navrongo-Bolgatanga, no Gana, para o “necessário e urgente apetrechamento do bloco operatório” de um hospital construído em zona rural particularmente carenciada.

No extremo oposto, a Diocese do Algarve destina a sua renúncia para a comunidade do Rogil, em Aljezur, que há muito está “empenhada” em possuir um espaço próprio para as “necessidades mais elementares”.

Já o bispo das Forças Armadas e de Segurança revelou que depois de escutar “todos os capelães e outras estruturas de participação” foi decidido que 25% da partilha quaresmal “ficaria à guarda da Capelania Mor para acorrer a eventuais necessidades pontuais urgentes que surjam entre os militares e polícias.

Segundo D. Manuel Linda, os restantes 75% vão ser enviados para Moçambique, “especialmente por intermédio da associação AFIM – Ajuda Fraterna à Ilha de Moçambique, fundada por um capelão militar e com muitos outros militares nos órgãos sociais.

A Arquidiocese de Braga também vai ajudar Moçambique, mais concretamente, a Paróquia de Santa Cecília de Ocua, na Diocese de Pemba, para a criação de “estruturas básicas para a promoção e evangelização”.

D. Jorge Ortiga indica ainda que os católicos vão ainda apoiar o ‘Fundo Partilhar com Esperança’, para a solidariedade com “pessoas que não dispõem dos mínimos para uma vida feliz”.

Para África é também parte da partilha fraterna da Diocese do Porto que vai dar apoio a um Orfanato das Irmãs Marianitas, na Guiné-Bissau, e o restante reverte para o Fundo Solidário Diocesano.

Em Aveiro, o bispo informou que o tradicional “contributo penitencial” tem este ano três destinos: Colégio de Nossa Senhora da Apresentação, em Calvão, o Fundo Diocesano de Emergência Social, ligado à Caritas, e projetos missionários na Diocese de São Tomé e Príncipe.

As Dioceses de Lamego e Portalegre-Castelo Branco no âmbito internacional vão ajudar a República Democrática do Congo, respetivamente, através dos Missionários Combonianos, que têm missões na região do Kivu e Diocese de Beni-Butembo, e ajudar a construir um Centro de Saúde, na Arquidiocese de Kananga.

Depois, Portalegre-Castelo Branco destina ainda 25% ao Fundo Social Diocesano, gerido pela Cáritas, e Lamego nas obras que estão a decorrer no seminário diocesano.

Em Santarém, a renúncia quaresmal é para o Fundo de Partilha Diocesano, gerido pela Cáritas local.

Por sua vez, o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, anunciou que o montante dos donativos recolhidos nas comunidades católicas é para a construção de um novo edifício da Escola ‘Sacré Coeur’, na República Centro-Africana, onde trabalham as Irmãs Oblatas do Coração de Jesus.

“Sede generosos, tendo presente que a esmola apaga uma multidão de pecados”, escreveu o bispo de Beja, D. João Marcos, no documento onde informa que a Renúncia Quaresmal vai ajudar os cristãos que vivem na Terra Santa e a própria diocese, em partes iguais.

O bispo da Guarda afirma que a “esmola fortalece sempre a experiência da comunhão” e a diocese vai também apoiar a Guiné-Bissau, a construção de uma cantina escolar numa missão católica, enquanto em Portugal vão ajudar as famílias que foram afetadas pelos incêndios na região, em 2017.

Para projetos internos destina-se também a partilha solidária no Algarve que este ano reverte para a comunidade do Rogil, em Aljezur; a de Bragança-Miranda para as “muitas necessidades de formação pastoral e espiritual” da diocese, especialmente, a construção da Casa Pastoral; e Vila Real, onde D. Amândio Tomás vai canalizar a “Renúncia Voluntária dos Fiéis” para as Conferências de S. Vicente de Paulo.

O bispo de Vila Real anuncia também a criação de “Bolsas de Estudo, a favor de Seminaristas Pobres”.

Em Coimbra, D. Virgílio do Nascimento Antunes informou que a Renúncia Quaresmal deste ano se destina à Comunidade Juvenil São Francisco, uma Instituição Particular de Solidariedade Social, da diocese, que se destina a acolher crianças e jovens; tem um polo em Eiras e outro em Olho Marinho – Vila Nova de Poiares.

A renúncia quaresmal é uma prática proposta pela Igreja Católica em que os fiéis abdicam da compra de bens adquiridos habitualmente noutras épocas do ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+