Tempo
|
A+ / A-

Falta mais para incentivar médicos a irem para o interior, diz bastonário

29 jan, 2018 - 12:41

Passado um ano sobre os incentivos dados aos médicos para se fixarem no interior do país, a Renascença falou com o bastonário da Ordem dos Médicos sobre os resultados.

A+ / A-

Veja também:


O bastonário da Ordem dos Médicos diz que é preciso mais para fixar médicos no interior do país, nomeadamente nas zonas “mais carenciadas e periféricas”.

“Os médicos que faltam no Serviço Nacional de Saúde não são 100 nem 150, são entre quatro e cinco mil médicos, no mínimo”, começa por dizer.

O Governo decidiu limitar a 150 o número de vagas para médicos que quisessem ir para o interior do país. Os incentivos incluíam um aumento salarial de 40%, mais dias de férias e ainda preferência na colocação do cônjuge num posto de trabalho.

O número de vagas é visto pelo bastonário da Ordem dos Médicos como “uma gota de água no meio do oceano”, mas há mais.

“O plano para captar as pessoas para as zonas mais carenciadas passa, desde logo, por, quando existe a possibilidade de as contratar, elas sejam contratadas rapidamente. Os médicos que terminaram a especialidade em Março/Abril de 2017 ainda não tiveram nenhum concurso para entrar no Serviço Nacional de Saúde, portanto, daqui a pouco faz um ano sem concurso, o que quer dizer que muitos destes médicos provavelmente tomaram outro rumo”, alerta Miguel Guimarães na Manhã da Renascença.

Quanto aos incentivos, o bastonário diz que “a remuneração é apenas uma parcela” do conjunto. Segundo Miguel Guimarães, o Governo ofereceu mais “um ou dois dias” de férias a mais aos médicos que se deslocassem para o interior. “Em França, quando fizeram um plano destes, ofereciam entre 15 e 20 dias a mais”, compara.

Depois, há a questão das condições de trabalho. “Independentemente de ganhar mais 20% ou 30% ou 40%, que pode ser importante também, a verdade é que o médico tem de trabalhar, no sítio para onde for, de acordo com aquilo que esteve a aprender durante os quatro, cinco, seis anos” – ou seja, “ter acesso aos equipamentos, aos dispositivos médicos, aos materiais que são necessários para executar determinado tipo de técnicas, como cirurgias e outro tipo de actos médicos, o que muitas vezes não acontece”.

Neste momento, reforça Miguel Guimarães, “temos deficiências graves, não só de capital humano mas também de equipamentos e de dispositivos, particularmente nas zonas mais carenciadas”.

Por tudo isto, o bastonário da Ordem dos Médicos defende uma estratégia global para estas zonas, que inclua médicos, mas não só.

“Quando queremos, de facto, descentralizar as coisas, quando queremos melhorar a qualidade de vida nas zonas mais periféricas do país, temos de ter um plano global, que o Governo tem de encarar como um todo; que se aplique a um conjunto alargado de profissionais de saúde, que permita desenvolver a massa crítica suficiente para as pessoas gostarem de estar a trabalhar nas zonas mais periféricas”, defende.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DR XICO
    29 jan, 2018 LISBOA 14:31
    Como todos sabemos não é com 1000€ de propinas por ano que se paga um curso de medicina, eles são suportados pelos nossos impostos, logo a colocação dos médicos deve ser igual à dos professores e militares; é onde fazem falta, quem não quer paga a formação ao estado e sai, já acontece nas forças armadas (pilotos, Médicos, Engenheiros etc) pedem para sair e pagar e mesmo assim pode ser recusado. ASSUNTO ARRUMADO! se é no interior que fazem falta vão para lá...
  • Pedro
    29 jan, 2018 14:07
    basta não abrir tanta vaga no litoral (há cidades como Coimbra com médicos e enfermeiros em excesso para a sua população). Se se fizer como se faz no caso dos professores o problema é resolvido. Não há noticia de faltarem professores no interior.

Destaques V+