Tempo
|
A+ / A-

Infarmed. Presidente confirma que transferência para o Porto está a perturbar

18 jan, 2018 - 20:57

Maria do Céu Machado esteve no Parlamento. "É difícil continuarmos o trabalho normal pensando que vamos estar seis meses sem saber o que vai acontecer".

A+ / A-

A presidente do Infarmed assumiu no Parlamento que o anúncio da transferência da sede de Lisboa para o Porto está a perturbar a actividade habitual da entidade, da qual 20 funcionários pediram este mês para sair.

Maria do Céu Machado foi ouvida, a pedido do PSD, numa comissão parlamentar de Saúde extraordinária sobre a transferência da sede do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, anunciada em Novembro pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

"É difícil continuarmos o trabalho normal pensando que vamos estar seis meses sem saber o que vai acontecer", afirmou, numa referência ao grupo de trabalho criado pela tutela para avaliar a viabilidade do processo, e que tem que apresentar um relatório até ao fim de Junho.

A presidente do Infarmed considerou que o que está em causa não é a localização, mas "mexer numa estrutura pesada, com uma rotina diária com tanta pressão externa, e tão intensa, e à qual se consegue dar resposta".

Uma das consequências do anúncio do governo, contestado pela maioria dos trabalhadores, foi o pedido em Janeiro, até à data de hoje, da saída de 20 funcionários da instituição, salientou.

A pediatra frisou que não foram ainda "demonstradas as razões" de que a transferência da sede do Infarmed será "uma mais-valia", e que qualquer mudança na instituição "será muito mais difícil e disruptiva" se o conselho directivo e os trabalhadores, excluídos do grupo de trabalho, não forem envolvidos no processo.

Segundo Maria do Céu Machado, a transferência da sede tem também "um impacto financeiro que não é pequeno", que não contabilizou.

A presidente da entidade reguladora do medicamento "é a favor da descentralização" de serviços, na óptica de o Infarmed "ter algumas áreas de crescimento" na sua actividade, como ter núcleos de inspecção e farmacovigilância em várias zonas do país.

Nas suas intervenções, PSD, BE, PCP e CDS-PP questionaram a credibilidade do anúncio da transferência da sede do Infarmed, invocando que o plano estratégico da entidade, aprovado em Setembro, não prevê esta medida, e criticaram a exclusão do conselho directivo e da comissão de trabalhadores do grupo de trabalho que vai estudar os impactos da mudança, e que, de acordo com Maria do Céu Machado, integra especialistas que prestam serviço ao próprio Infarmed.

O PS invocou que "não há uma decisão definitiva, mas uma intenção", respondendo a uma "orientação política" do Governo, a da "descentralização dos serviços como forma de alcançar a coesão territorial". O partido assinalou que os interesses dos trabalhadores serão salvaguardados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Rodrigues
    22 jan, 2018 Viseu 22:35
    O principal de tudo deviam ser os interesses económicos e funcionais coisa que esta mudança nada disso nos trás, bem pelo contrário. A opção de Maria do Céu Machado é sem dúvida muito mais viável em todos os aspectos.
  • XUXAS MANIPULADORES
    18 jan, 2018 Lx 21:13
    Deverial transferir o Infarmed para Marrocos...Poupa-se dinheiro.

Destaques V+