Tempo
|
A+ / A-

Alqueva está na rota do cultivo de canábis

11 jan, 2018 - 17:12 • Rosário Silva

Não há plantações de canábis na área de influência de Alqueva, mas há contactos nesse sentido.

A+ / A-
A canábis pode fazer bem à saúde?
A canábis pode fazer bem à saúde?

Não há plantações de canábis na área de influência de Alqueva, mas o presidente da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), José Pedro Salema, confirma a existência de contactos nesse sentido.

“Tivemos no ano passado contactos de, pelo menos, dois investidores”, diz à Renascença José Pedro Salema, vendo com bons olhos essa e qualquer outra possibilidade com vista à diversificação de culturas.

“Da nossa parte, não há qualquer limitação”, diz o responsável da EDIA. No caso especifico da canábis, “as autorizações são dadas pelo Infarmed e pela GNR", e "desde que se cumpra a lei", é "perfeitamente" possível plantar canábis na zona do Alqueva.

Do ponto de vista económico e financeiro, o presidente da empresa que gere o empreendimento de fins múltiplos considera que o negócio é muito atraente: “Foi-nos apresentado um modelo de produção intensiva, em estufa, com possibilidade de geração de valor que rebenta com qualquer escala que os agrónomos estejam habituados a conhecer.”

“Falamos de valores brutos de produção na ordem dos milhões por hectare, números que não são possíveis em qualquer outra cultura”, acrescenta Salema.

Portugal está na rota do negócio global da canábis para fins medicinais, mas a sua utilização é proibida em solo nacional.

Os diplomas do Bloco de Esquerda (BE) e do PAN que prevêem a prescrição de canábis para fins medicinais baixaram esta quinta-feira à comissão de Saúde sem votação.

Papoila branca

No âmago do Alentejo, onde chega a água de Alqueva, o que já cresce é a papoila branca. Em 2011, a empresa farmacêutica escocesa Macfarlan Smith deu inicio aos primeiros testes. Mais tarde, uma multinacional australiana, a TPI Entreprises, foi também autorizada a produzir este tipo de papoila. Um caso de sucesso de introdução de uma nova cultura, mas que não atingiu maior dimensão porque não foi instalada qualquer unidade industrial.

“O que temos em Alqueva é apenas a produção primária, a produção agrícola”, explica, mas a criação de valor “está na extracção do componente activo, na extracção dos opiáceos, e isso tem de ser feito numa unidade industrial que não está em Portugal”.

O material produzido nos campos alentejanos “é triturado, posto em sacos e é depois enviado para as fábricas que estão na Escócia ou em Espanha”, esclarece o mesmo responsável.

Esta é também a razão pela qual a área de cultivo não têm aumentado, não ultrapassando, de acordo com o presidente da EDIA, “os mil e poucos hectares, o que está muito longe dos números que eram apontados no inicio da produção de papoila no Alentejo”.

Os campos de papoila branca não estão perto das estradas principais, mas existem dezenas espalhadas pelos distritos de Évora e Beja, nas zonas de regadio, associadas ao empreendimento de fins múltiplos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DR XICO
    12 jan, 2018 LISBOA 11:26
    Alentejo o Novo Afeganistão da Europa! À falta de ideias melhores para a agricultura esta até que não seria má. Cartaz para turista. - VISITE O ALENTEJO E APANHE UMA MOCA, EM PASSEIOS DE BARCO NO ALQUEVA..
  • Filipe
    12 jan, 2018 évora 03:00
    Vão contratar Taliban para trabalharem de graça por conta de uma fumaça de hora a hora e metam o Santana a gerir a produção .
  • Agostinho Vieira C
    11 jan, 2018 usa 23:40
    Ate que ,,enfim ,,o Alqueva comeca a render ,,alguma coisa ,,os xuxialistas ate,, nao sao ,,burros de todo
  • 11 jan, 2018 17:53
    E estranho canabis haxixe vem tudo da mesma familia ! Afinal nao podemos morrer com colesterol mas pelos vistos podemos morrer de overdose!

Destaques V+