Tempo
|
A+ / A-

Ministro nega caos no SNS e anuncia concurso para médicos recém-especialistas

10 jan, 2018 - 20:18

Adalberto Campos Fernandes admitiu no Parlamento que há momentos de ruptura, mas isso não acontece sempre, e convidou os deputados a irem ao terreno.

A+ / A-

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, desmentiu esta quarta-feira os deputados do PSD e CDS que dizem haver nesta altura uma situação de caos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), devido à pressão causada por doentes com gripe.

Num debate promovido pelo PCP, Adalberto Campos Fernandes admitiu que há momentos de ruptura, mas isso não acontece sempre.

O ministro da Saúde convidou mesmo os deputados a visitarem os centros de saúde sem aviso prévio, para verem com os próprios olhos como tudo funciona normalmente.

CDS, PCP e Bloco de Esquerda questionaram o ministro sobre os atrasos na abertura dos concursos de cerca de 700 médicos que concluíram a especialidade em Abril e em Outubro do ano passado.

O governante respondeu que o concurso para jovens médicos vai ser lançado dentro de dias, sem especificar datas.

“É bom que os portugueses percebam que esses médicos estão todos a trabalhar, são internos de especialidade que terminaram a sua especialidade e estão a trabalhar. Falta tomar posse enquanto especialistas na posição remuneratório adequada”, sublinha Adalberto Campos Fernandes.

A Ordem dos Médicos emitiu esta quarta-feira uma nota em que considerava uma vergonha nacional a não abertura destes concursos para os cerca de 700 especialistas.

Segundo avançou o bastonário dos médicos, Miguel Guimarães, os concursos para os profissionais que concluíram o internato em Abril deveriam ter sido abertos um mês depois, ou seja, há um atraso de cerca de oito meses.

"Mais uma vez isto ocorre por condicionalismos provocados pelo Ministério das Finanças. As Finanças estão de facto a controlar completamente a saúde e isto é mau para os portugueses", considerou.

O representante dos médicos frisa também que estes atrasos já fizeram ao SNS perder muitos destes jovens especialistas, que optaram por ir trabalhar para o sector privado ou para países estrangeiros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    11 jan, 2018 Viseu 10:08
    Tem havido cativações enormes; na saúde, há uma dívida de mais de mil milhões de euros e os pagamentos aos fornecedores estão muito atrasados; os doentes mais graves e os mais pobres morrem sem ser atendidos...É impossível enganar mais os portugueses. O governo social-comunista aproxima-se do fim!
  • José Fonseca
    11 jan, 2018 Coimbra 10:06
    “É bom que os portugueses percebam que esses médicos estão todos a trabalhar, são internos de especialidade que terminaram a sua especialidade e estão a trabalhar. Falta tomar posse enquanto na posição remuneratório adequada”, sublinha Adalberto Campos Fernandes Aqui temos dois pesos e duas medidas. Os médicos especialistas que estão a trabalhar desde Abril/Outubro têm que ser integrados na posição remuneratória adequada. Os enfermeiros especialistas que estão a trabalhar há dez anos têm que manter a mesma posição remuneratória de generalista, sem integração na posição remuneratória em que exercem as suas competências. Isto sim é a vergonha nacional
  • ESQUERDA CONTRA SNS
    10 jan, 2018 Lx 20:55
    Este pantomineiro do ministro não existe...Até hoje nenhuma medida foi tomada.Foi avisado pelas ordens profissioanis e assobiou para o lado. A esquerda destrói o Serviço Nacional de Saúde com as cativações e ausência de resposta aos problemas. Enquanto isso, o BE e o PCP calam-se..Hipócratas e populistas sociais fascistas.
  • Maria Santos
    10 jan, 2018 Guarda 20:55
    E a bastonária só agora acordou? Que andou ela a fazer o tempo todo? O caos já dura há mais de 20 anos e só agora as bastonárias e comunicação social é que acordaram?

Destaques V+