Tempo
|
A+ / A-

Costa anuncia défice "seguramente" de 1,2% do PIB

08 jan, 2018 - 16:40

"O défice ficará francamente abaixo do 1,5%, que era a meta inicial", diz primeiro-ministro.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta segunda-feira que o défice de 2017 rondará "seguramente" o 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB), "francamente" abaixo da meta inicial de 1,5%.

"O défice ficará francamente abaixo do 1,5%, que era a meta inicial, e rondará seguramente o 1,2% do PIB do ano passado", disse durante uma intervenção na Fundação AEP, no Porto.

António Costa adiantou ainda ter havido uma "forte redução" da dívida pública que, desde Outubro, inverteu uma tendência de crescimento que vinha de há vários anos, permitindo chegar ao final de 2017 com uma dívida que será de 126,2% do PIB, ou seja, melhor do que os 127% que se tinha estimado inicialmente.

O Governo tinha inscrito um défice de 1,6% do Produto Interno Bruto no Orçamento do Estado para o ano passado, reviu para 1,5% quando enviou o Programa de Estabilidade para Bruxelas, e em 21 de Dezembro António Costa anunciou que o défice iria ficar "abaixo dos 1,3%".

Um ano de "boas notícias" económicas

Para António Costa, 2017 foi um ano de "forte redução do desemprego", tal como confirmou o Instituto Nacional de Estatística (INE) ao rever em baixa a taxa de Outubro para 8,4%.

"O ano de 2017 foi, de facto, um ano onde do ponto de vista económico tivemos boas notícias, foi o ano de maior crescimento económico desde o início do século, foi um ano de forte redução do desemprego, como hoje o INE confirmou com a previsão da taxa de desemprego em Outubro de 8,4% e a previsão de podermos chegar a Dezembro com 8,2%", afirmou.

O INE reviu esta segunda-feira em baixa de 0,1 pontos percentuais a taxa de desemprego de Outubro para os 8,4%, valor mínimo desde Fevereiro de 2005, estimando para Novembro uma nova descida para os 8,2%.

Um ano antes, em Novembro de 2016, a taxa de desemprego situava-se nos 10,5%.

António Costa lembrou ainda que o ano passado ficou ainda marcado pelo crescimento sustentado "fortemente" assente no crescimento do investimento e do investimento privado e pelo aumento das exportações, o que significa que a economia portuguesa tem hoje um novo paradigma que tem assentado na capacidade competitiva internacional do país.

"E isto num contexto onde, simultaneamente, foi possível prosseguir a trajectória de redução do défice público e de forte redução da dívida pública que, desde Outubro, como estava previsto, inverteu uma tendência de crescimento que vinha de há vários anos, permitindo chegar ao final do ano com uma dívida que terá 126,2% do nosso produto, ou seja, melhor do que os 127% que se tinha estimado inicialmente", referiu.

Por isso, acrescentou, é necessário olhar para este ano sabendo como é que se pode sustentar esta dinâmica de crescimento, de criação de emprego e de boa condição das finanças públicas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui
    08 jan, 2018 Lisboa 23:53
    Está esquerda definitivamente não é comparável às anteriores perante os dados económicos actuais a direita não pode mais continuar fugir à realidade com falsas profecias e xincalha política deve fazer uma oposição firme construtiva, ser uma opção ou alternativa para ajudar os portugueses e o país a progredir para um futuro melhor e não elamear constantemente para chegar ao pote, os portugueses pagaramuito das pulhitiquices, bancos e toda a porcaria que andaram a fazer agora mostrem o realmente valem.
  • António Rodrigues
    08 jan, 2018 Viseu 22:42
    A RR, Renascença é falsa como judas, e para mais, assumindo-se como católica, rejeita as palavras de Papa Francisco defensoras da pobreza e vira-se para tudo que seja da direita, do capitalismo, ou seja, da seita que matou Jesus Cristo. Vergonhoso. Traição. Ser católico hipócrita, mais vale ser ateu. Palavras de Papa Francisco.
  • Filipe
    08 jan, 2018 évora 22:03
    Mentirosos , aldrabas e tendeiros , são aqueles eleitos pelo povo e onde vivem à custa do povo .
  • ALÉM DA TROYKA...
    08 jan, 2018 Lx 16:48
    São as cativações kamaradas. Enquanto isso o Estado e seus serviços implodem. Mas fico agradado por ver que a retórica do kamarada Costa é falaciosa pois tem que cumprir os ditames da Europa e ir além daquilo que a troyka diz...É só rir com este pantomineiro mentiroso compulsivo...

Destaques V+