Tempo
|
A+ / A-

Papa e Rei da Jordânia discutem estatuto de Jerusalém em encontro no Vaticano

19 dez, 2017 - 15:09

Ambos os líderes discordam da decisão de Donald Trump de mudar a embaixada americana para a cidade Santa.

A+ / A-

O Papa Francisco recebeu esta terça-feira o Rei Abdullah da Jordânia, tendo discutido o processo de paz no Médio Oriente à luz da decisão recente de Donald Trump de mudar a embaixada americana para Jerusalém, segundo uma nota divulgada pela sala de imprensa da Santa Sé.

Os dois líderes conversaram durante cerca de 20 minutos em privado. Abdullah visitou Francisco antes de seguir para uma visita de Estado a França.

O Papa e Abdullah são duas personalidades influentes na Terra Santa. Enquanto Rei da Jordânia, Abdullah é custódio dos lugares santos em Jerusalém e a Igreja Católica detém muitos lugares santos cristãos, ou em exclusivo ou em conjunto com outras confissões cristãs, naquela região.

Nem a Jordânia nem a Santa Sé reconhecem a ocupação de Jerusalém Oriental por Israel, com a Jordânia a declarar que a decisão americana de mudar a embaixada para aquela cidade é legalmente nula, uma vez que consolida a ocupação israelita. Israel, por sua vez, descreve Jerusalém como a sua capital eterna e indivisa.

Quando Trump anunciou a sua decisão de mudar a embaixada, o Vaticano reagiu negativamente, afirmando que se devia respeitar o “status quo” da cidade Santa, sob perigo de inflamar os conflitos mundiais já existentes.

O mundo muçulmano reagiu com violência à decisão de Trump, com protestos em várias partes do mundo e manifestações violentas por parte de palestinianos na Terra Santa.

As várias confissões cristãs presentes na região também denunciaram a decisão americana, que levou o líder da Igreja Copta, a maior igreja cristã de todo o Médio Oriente, a cancelar o encontro que já tinha agendado com o vice-Presidente Mike Pence.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+