Escola do Porto suspende actividades devido a falta de funcionários

03 out, 2013

Ministério garante que "hoje mesmo" deu autorização para colocar mais funcionários no agrupamento de escolas Clara de Resende.
A falta de auxiliares na escola secundária Clara de Resende, no Porto, forçou a direcção do agrupamento a "interromper" nas tardes de hoje e de sexta-feira o normal funcionamento das actividades.

Num aviso colocado na internet, a direcção do agrupamento de escolas Clara de Resende informa que "não consegue assegurar a segurança dos seus alunos no edifício sede", na rua 1.º de Janeiro, devido à falta de funcionários.

Por esse motivo, acrescenta, é "forçada a interromper o normal desenrolar das actividades" nas tardes de quinta e sexta-feira.

O Ministério da Educação e da Ciência afirma que "até hoje" o agrupamento de escolas Clara de Resende "estava dotado de 28 assistentes operacionais". 

Na sequência desta informação dada pela direcção do agrupamento, "a DSRN atribuiu hoje 44 horas diárias (contrato a tempo parcial)", ou seja, autorizou já a contratação a tempo parcial de mais funcionários, até ao máximo de 44 horas por dia.

Uma decisão que apanhou de surpresa a associação de pais deste estabelecimento de ensino, como disse à Renascença a sua presidente, Helena Tavares.