Tempo
|

Francisco dá força de encíclica à preocupação da Igreja com o ambiente

15 jun, 2015 • Filipe d'Avillez

Francisco publica esta quinta-feira a primeira encíclica de um Papa dedicada inteiramente ao ambiente. Há longos anos que os papas procuram mostrar que o cuidado com a Terra não é reserva de cientistas, mas tem implicações morais.

Francisco dá força de encíclica à preocupação da Igreja com o ambiente
O muito aguardado documento do Papa Francisco sobre o ambiente e as alterações climáticas, que será publicada na quinta-feira com o título "Laudato Si", constitui a primeira vez que um pontífice dedica uma encíclica inteira a este assunto.

A preocupação de um Papa pelo ambiente não é novidade. Mas Francisco dá um passo importante, com a força reforçada de uma encíclica, numa longa tradição, que tem entre os seus protagonistas outros dois papas, João Paulo II e Bento XVI.

Bento XVI, que mandou colocar painéis fotovoltaicos no Vaticano e comprometeu a Santa Sé ao objectivo de se tornar o primeiro estado europeu neutro no que diz respeito a emissões de carbono, chegou a ser apelidado de "Papa Verde".

O Papa alemão revelou em várias ocasiões a sua preocupação com o ambiente, deixando claro que esta é uma causa inseparável de outros grandes temas de ordem moral. Bento XVI chegou mesmo a utilizar a expressão "ecologia humana", ligando o cuidado pelo meio ambiente ao cuidado pela natureza humana e fazendo a ligação à necessidade de se respeitar, tanto numa questão como na outra, pelo respeito pelo direito natural.

Na encíclica "Caritas in Veritate", Bento XVI escrevia: "Hoje, as questões relacionadas com o cuidado e a preservação do ambiente devem ter na devida consideração as problemáticas energéticas. De facto, o açambarcamento dos recursos energéticos não renováveis por parte de alguns Estados, grupos de poder e empresas constitui um grave impedimento para o desenvolvimento dos países pobres. Estes não têm os meios económicos para chegar às fontes energéticas não renováveis que existem, nem para financiar a pesquisa de fontes novas e alternativas."

O texto continua, dizendo que "a monopolização dos recursos naturais, que em muitos casos se encontram precisamente nos países pobres, gera exploração e frequentes conflitos entre as nações e dentro das mesmas. E muitas vezes estes conflitos são travados precisamente no território de tais países, com um pesado balanço em termos de mortes, destruições e maior degradação".

Bento XVI concluía: "A comunidade internacional tem o imperioso dever de encontrar as vias institucionais para regular a exploração dos recursos não renováveis, com a participação também dos países pobres, de modo a planificar em conjunto o futuro."

João Paulo II preocupado com efeito de estufa
Já antes, João Paulo II tinha reservado palavras fortes para estas questões.

Na sua mensagem para o Dia Mundial da Paz de 1990, o Papa polaco dizia que "o gradual esgotamento da camada do ozono e o consequente 'efeito de estufa' que ele provoca já atingiram dimensões críticas, por causa da crescente difusão das indústrias, das grandes concentrações urbanas e dos consumos de energia. Resíduos industriais, gases produzidos por combustíveis fósseis, desflorestação imoderada, uso de alguns tipos de herbicidas, refrigerantes e propelentes, tudo isto, como se sabe, é nocivo para a atmosfera e para o ambiente."

"Daí resultam múltiplas mudanças meteorológicas e atmosféricas, cujos efeitos vão desde os prejuízos para a saúde até à possível submersão, no futuro, de terras baixas", concluía o Papa.

Contudo, também João Paulo II fazia depois a ligação para assuntos vistos como prioritários para a Igreja. "Mas o índice mais profundo e mais grave das implicações morais, inseridas na problemática ecológica, é constituído pela falta de respeito pela vida, como se pode verificar em muitos comportamentos."

Desconfiança conservadora
À luz destes exemplos históricos apenas se pode concluir que a preocupação ambiental de Francisco não é nova. Nova será, isso sim, a forma e a ênfase, para além da atenção mediática que as suas acções têm em comparação com a dos seus antecessores.

Mas a insistência do Papa em entrar por temas ambientais não está a ser inteiramente pacífica. O facto de ter colaborado com instituições das Nações Unidas – uma organização com a qual a Igreja tem um historial complexo e que é vista como enorme desconfiança por facções mais conservadoras da Igreja, sobretudo em países como os Estados Unidos – e o seu entusiasmo por um tema que é visto frequentemente como uma causa de esquerda têm feito surgir várias críticas.

Quando o Vaticano ajudou a organizar uma cimeira sobre o ambiente, em Roma, com a presença do secretário-geral da ONU, um grupo de cientistas que discordam das teorias das alterações climáticas fizeram uma contracimeira de protesto e acusaram o Papa de estar a dar crédito a teorias que, dizem, não foram ainda provadas.

De igual modo, o político americano Rick Santorum, um católico conhecido pelas suas posições conservadoras em assuntos morais, disse que, embora ame muito o Papa, este devia deixar a ciência para os cientistas – esquecendo-se de que o Papa teve formação científica, nomeadamente em química, antes de entrar para o seminário.

Mas o que os Papas têm estado a fazer, pelo menos desde João Paulo II e com particular destaque para Bento XVI e agora Francisco, é exactamente sublinhar que questões como o cuidado pelo ambiente e os recursos naturais não são temas exclusivamente científicos, mas também profundamente morais. Isso será certamente realçado pelo Papa na sua encíclica "Laudato Si".