Tempo
|

Igreja preocupada com o aumento de armas em Portugal

30 out, 2012 • Domingos Pinto

Observatório das Armas da Conferência Episcopal acusa o Governo de se preocupar só com números e de se esquecer de questões sociais.

Portugal discute a dívida e as metas orçamentais, mas esquece-se das questões sociais como a desigualdade e a violência. A advertência é do presidente do Observatório das Armas da Conferência Episcopal Portuguesa.

Fernando Roque de Oliveira lembra que os factores de dificuldade económica e social potenciam o negócio das armas, desde logo porque se medem “as décimas do crescimento e da dívida”, esquecendo-se os “aspectos sociais que têm que ver com a desigualdade, a luta contra a desigualdade, a exclusão e as situações de violência que os meios de comunicação estão a relatar de uma maneira crescente”.

De acordo com o Observatório das Armas da Conferência Episcopal Portuguesa, em 2011 houve um aumento de 10% na compra de armas. O organismo estima que possam existir em Portugal cerca de 1,4 milhões de armas legais, sensivelmente o mesmo número estimado para as armas ilegais.