Tempo
|

Holanda mantém direito à matança ritual de animais por grupos religiosos

20 jun, 2012

O Senado holandês votou contra a proposta que já tinha sido aprovada no parlamento, para satisfação de defensores da liberdade religiosa.

A Holanda rejeitou ontem uma lei que proibiria a matança de animais segundo os rituais judaicos e muçulmanos.

A medida, proposta pelo Partido dos Animais holandês, já tinha sido aprovada o ano passado pelo parlamento, causando grande consternação entre as comunidades de judeus e muçulmanos que uniram forças, com o apoio de outros grupos religiosos, para contestar a lei.

Um total de 51 senadores votou contra a medida, com apenas 21 a votar a favor. Durante o debate foi referido que a lei era uma violação da liberdade religiosa.

A lei obrigava a que todos os animais fossem atordoados antes de serem mortos, supostamente para minimizar a dor. Contudo, as leis religiosas que regulam a pureza da carne para consumo tanto de judeus como de muçulmanos, obrigam a que os animais estejam inteiramente conscientes na altura da sua morte.

Tanto quanto a própria lei na Holanda, o que preocupava os grupos religiosos era o precedente que este caso poderia representar para o resto da Europa.