Tempo
|

Bispo tradicionalista rejeita reconciliação com Roma

11 jun, 2012 • Filipe d’Avillez

Um dos quatro bispos da Sociedade de São Pio X indicou ser claramente contra o processo de reunificação com Roma, indicando que se deve esperar pela “conversão” do Vaticano.  

Bispo tradicionalista rejeita reconciliação com Roma
Um dos quatro bispos da Sociedade de São Pio X, que reúne os católicos tradicionalistas seguidores do arcebispo Marcel Lefebvre e que se encontra em situação de ruptura com Roma, declarou recentemente a sua recusa a uma reunificação com o Vaticano.

Numa homilia proferida no Domingo da Santíssima Trindade, o bispo Bernard Tissier de Mallerais comparou a luta dos tradicionalistas à resistência contra heresias antigas e disse que era cedo para aceitar qualquer reintegração.

Referindo-se a grandes heresias do passado da Igreja, o bispo tradicionalista afirmou que “a história mostra-nos que as longas crises da Igreja duram 70 anos, o Arianismo, o Grande Cisma. Por isso, a crise conciliar provavelmente durará cerca de 70 anos. Isso significa que temos de esperar mais 30”.

Mais à frente o bispo dá a entender que os tradicionalistas devem esperar que toda a Igreja Católica se “converta” dos seus erros, antes de aceitar regressar a Roma e indica que isso está ainda longe de acontecer: “Se ao menos pudéssemos dizer que os conciliaristas se estão a converter – mas isso simplesmente não é verdade. Nem um, nem em Roma nem nas dioceses, nenhum deles se está a converter”.

A Sociedade de São Pio X entrou em ruptura com Roma quando o seu fundador, o arcebispo Marcel Lefebvre, ordenou quatro bispos sem autorização de João Paulo II. Os cinco foram automaticamente excomungados pela sua acção.

Os membros da SSPX rejeitam algumas das reformas e dos ensinamentos do Concílio Vaticano II, incluindo as alterações à liturgia e a aceitação do ecumenismo, diálogo inter-religioso e liberdade religiosa.

Em 2009, como gesto de boa vontade, Bento XVI levantou as excomunhões dos quatro bispos ordenados por Lefebvre, que entretanto já tinha morrido.

A SSPX, pela voz do seu superior-geral, o bispo Bernard Fellay, tem estado em conversações com Roma para chegar a uma reconciliação. É sabido que o Vaticano enviou para os tradicionalistas um “preâmbulo doutrinal”, cujo texto é confidencial, e que, após algumas modificações, foi aceite por Fellay. Espera-se agora que Bento XVI proponha uma estrutura autónoma na Igreja para os tradicionalistas, o que poderá estar iminente.

Contudo, recentemente emergiu uma carta pessoal, assinada pelos restantes três bispos ordenados por Lefebvre em 1988, incluindo Tissier de Mallerais, a pedir a Fellay que não aceite qualquer proposta de Roma, indicando a existência de divisões internas na sociedade.

Numa frase que parece aludir ao tal “preâmbulo doutrinal”, Mallerais advertiu agora na sua homilia: “Devemos recusar textos ambíguos, continuar a condenar o erro e professar correctamente a fé católica. A crise do concílio está em força, devemos ser firmes a condenar os erros do Concílio”.

Embora uma reunificação entre Roma e a Sociedade pareça estar cada vez mais próxima, também se vai tornando claro que pelo menos dois dos bispos tradicionalistas, eventualmente três, ficarão de fora de qualquer acordo. O Vaticano também o deu a entender quando disse que em caso de se confirmar a reunificação, o estatuto dos bispos da sociedade será analisada caso a caso.