Bispo-auxiliar de Lisboa acredita no regresso dos feriados religiosos

10 mai, 2012 • Ângela Roque

A convicção é de D. Nuno Brás e foi deixada esta quarta-feira na Renascença.

Bispo-auxiliar de Lisboa acredita no regresso dos feriados religiosos

O Bispo Auxiliar de Lisboa acredita que os feriados religiosos que vão ser eliminados em 2013 podem vir a ser repostos. D. Nuno Brás lembra que a Santa Sé não aceitou que fossem definitivamente anulados - o acordo com o Estado português estabelece que serão suspensos por cinco anos. Se até lá a crise económica for ultrapassada não vê porque razão não serão repostos.

“É importante sublinhar que se trata de uma suspensão. O texto da Concordata mantém-se tal qual como está, a suspensão é por cinco anos, o que significa que daqui por cinco anos a situação será reavaliada. Se o motivo da suspensão é a crise, quando a crise passar não há razão para que os feriados não regressem”, disse.

Para D. Nuno Brás o acordo alcançado foi o "acordo possível". “Não é desejável que andemos a cortar feriados por cortar”.

O acordo entre o Estado português e a Santa sé estabelece a suspensão do feriado do Corpo de Deus - que passa a ser celebrado no Domingo seguinte - e o do 1 de Novembro. Neste caso a igreja continuará a assinalar a Solenidade de Todos os Santos no mesmo dia.

A questão dos feriados religiosos foi um dos temas analisados no debate desta quarta-feira com o bispo auxiliar de Lisboa, D. Nuno Brás, o juíz Pedro Vaz Patto e a vaticanista Aura Miguel.

No debate da Edição da Noite da Renascença falou-se ainda do Congresso Europeu de Catequese, a decorrer em Roma, e da Jornada "Juntos pela Europa", que no sábado vai ligar o Parlamento Europeu a mais de 150 cidades europeias, incluindo Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Funchal.

As cerimónias do 12 e 13 de Maio em Fátima, que este ano serão presididas pelo Cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, também não foram esquecidas.