Lefebvrianos mandam para Roma uma “resposta que não responde”

21 dez, 2011

Membros da Cúria Romana terão ficado surpreendidos com o conteúdo da documentação enviada por monsenhor Fellay, que não diz sim, nem não, nem pede alterações.

As negociações entre o Vaticano e a Sociedade de São Pio X (SSPX), que reúne os seguidores tradicionalistas do Arcebispo Marcel Lefebvre, excomungado em 1988 por ordenar bispos sem mandato de Roma, sofreram uma viragem bizarra, segundo indica o vaticanista Andrea Tornielli.

Em Setembro, e após dois anos de discussões doutrinais, Roma apresentou à Sociedade um documento, a que chamou um “preâmbulo doutrinário”, que a SSPX deveria aceitar. Em troca o movimento seria plenamente reintegrado na comunhão católica, enquanto organização autónoma, dependente directamente do Papa.

Ficou entendido que haveria espaço para negociar e que a Sociedade poderia sugerir alterações ao documento, que não foi tornado público.

Numa homilia no dia 8 de Dezembro o actual líder da SSPX, monsenhor Bernard Fellay deu a entender que seria muito difícil responder positivamente ao documento, uma vez que isso implicaria a aceitação de aspectos do Concílio Vaticano II que os tradicionalistas rejeitam, tal como a liberdade religiosa, o diálogo ecuménico e a reforma litúrgica.

Agora surge a notícia de que a resposta da Sociedade foi entregue no Vaticano no passado dia 10 de Dezembro. Contudo, os elementos da Santa Sé terão ficado surpreendidos ao notar que não se tratava de uma resposta positiva ou negativa, nem sequer de uma sugestão de alterações, mas apenas “documentação”.

Perante esta situação Tornielli especula que monsenhor Fellay possa estar a tentar ganhar tempo e que o actual impasse deve mais a divisões internas da SSPX, entre aqueles que são favoráveis à reintegração e elementos de uma ala dura anti-romana.

Resta agora ver de que forma o Vaticano agirá perante este estranho gesto dos lefebvrianos.