Tempo
|

Relatório aponta entre 10 e 20 mil vítimas de abusos na Holanda

16 dez, 2011

Comissão independente identificou ainda cerca de 800 alegados infractores, entre padres, monges e leigos ao serviço da Igreja.

Um relatório divulgado hoje na Holanda revela que entre 10 e 20 mil crianças sofreram de abusos sexuais às mãos de pessoas ligadas à Igreja Católica, desde 1945.

O documento foi encomendado pela própria Igreja a uma comissão independente, chefiada por um ex-ministro, para investigar acusações de abusos sexuais na Igreja Católica. Para além das cerca de 1800 denúncias directas recebidas, a comissão fez uma sondagem para tentar averiguar o verdadeiro número de pessoas que terão sido abusadas.

Para além dos números ligados directamente à Igreja a comissão conclui que um número global de 10% de crianças holandesas terá sofrido abusos em geral desde aquela data. O valor duplica para crianças que tenham estado institucionalizadas, independentemente de serem instituições religiosas ou seculares.

Segundo a comissão, os abusos em instituições católicas não eram mais frequentes do que noutras instituições. O problema, concluem, é da sociedade: "O abuso sexual de menores é uma prática generalizada na Holanda", pode ler-se.

O relatório conclui ainda que, tal como se verificou noutros países, a Igreja respondeu de forma inadequada ao problema, mesmo quando os casos se tornavam conhecidos das autoridades, em parte para evitar escândalos e em parte por problemas de divisão interna, uma vez que as ordens religiosas funcionam independentemente das dioceses.

Os bispos holandeses reagiram esta tarde ao relatório, manifestando "dor e vergonha" pelos números revelados. Em comunicado, citado pela Rádio Vaticano, os bispos holandeses reconhecem que os responsáveis da igreja nem sempre agiram no "interesse prioritário" das vítimas, às quais pedem desculpa, sublinhando que a prioridade passa agora por lhes "oferecer justiça" através de indemnizações.

Há vários anos que a Igreja tem enfrentado sucessivos escândalos por causa de revelações de abusos sexuais, em diversos países. O actual Papa Bento XVI já abordou a questão diversas vezes, pedindo desculpa às vítimas, em geral e nalguns casos pessoalmente. Na sua visita a Portugal Bento XVI referiu ainda que as maiores ameaças à Igreja vinham de dentro, uma declaração que foi vista como referência a este problema.

O mês passado, antes de se conhecerem os detalhes do relatório, a Igreja Católica na Holanda divulgou um esquema de compensações financeiras para vítimas de abusos, que vai dos 5.000 euros a um valor máximo de 100.000 euros.

Bento XVI aborda a questão dos abusos sexuais na Igreja na sua visita aos EUA

Bento XVI aborda a questão dos abusos sexuais na Igreja na sua visita à Austrália

[Notícia actualizada às 17h32]