Tempo
|

Primavera Árabe

Patriarca Maronita pressionado por defender Assad

30 set, 2011

Depois da França, Washington dá sinais de desagrado com os pronunciamentos públicos do Patriarca.

Patriarca Maronita pressionado por defender Assad
Maronita, Rai, Rahi, Al-Rahi
O Patriarca da Igreja Maronita, com sede no Líbano, está a sentir na pele a pressão ocidental por ter defendido o regime iraniano de Bashar Al-Assad.

Bechara Rai, que foi eleito este ano para chefiar a segunda maior Igreja católica oriental, pediu aos governos ocidentais que dessem “uma chance” a Assad para colocar em prática as reformas que prometeu. As declarações foram feitas durante uma visita a França.

Já depois de ter regressado ao Líbano, a presidência francesa emitiu um comunicado em que se mostrava “surpreendida e entristecida” pela posição do Patriarca.

Agora, surgiu a notícia de que uma próxima visita aos Estados Unidos, onde inicialmente estava previsto um encontro com o presidente Obama, foi cancelada. Tudo indica que esta decisão foi tomada em reacção às afirmações do Patriarca em relação à Síria.

Em várias ocasiões, Bechara Rai chamou atenção para o perigo de um conflito interno caso o regime sírio caia e as eventuais consequências nefastas para a comunidade cristã, cerca de 10% da população, no caso de o poder cair nas mãos de extremistas islâmicos.

Ao fazer estas declarações o Patriarca coloca-se ao lado da hierarquia cristã da Síria, que quase sem excepção tem-se colocado do lado do regime, apesar de pedir contenção e o abandono da violência de parte a parte.