Arcebispo que se auto-suspendeu ilibado de assédio sexual

13 mar, 2014

Após uma investigação de cerca de três meses a Procuradoria-Geral local considerou que não havia provas suficientes para acusar o arcebispo, pelo que o processo foi arquivado.

Arcebispo que se auto-suspendeu ilibado de assédio sexual
O arcebispo da diocese americana de St. Paul e Minneapolis foi ilibado de ter assediado um rapaz durante uma fotografia de grupo depois de uma cerimónia de Crisma.

John Nienstedt era acusado de ter tocado num jovem rapaz de forma imprópria.

Mal surgiram as alegações o bispo invocou as normas de transparência da diocese e suspendeu-se das suas funções, para dar espaço a um inquérito. As autoridades civis foram imediatamente informadas da acusação.

Na altura da acusação John Nienstedt disse que não sabia quem é que o estava a acusar, mas que não duvidava da sinceridade das suas intenções. Contudo, o bispo garantiu que nunca teve qualquer contacto impróprio com crianças: “Sim, sou um pecador, mas entre os meus pecados não se conta qualquer abuso de menores”.

Em relação ao incidente em si o arcebispo clarificou também que nas fotografias de grupo com crianças tem o costume de adoptar uma postura defensiva, precisamente para evitar mal entendidos. “Para essas fotografias costumo estar de pé com uma mão no meu báculo e a outra no ombro direito do recém-crismado, ou então no meu pálio, à volta do meu peito. Faço-o propositadamente e há centenas de fotografias que o comprovam”.

Após uma investigação de cerca de três meses a Procuradoria-Geral local considerou que não havia provas suficientes para acusar o arcebispo, pelo que o processo foi arquivado.