“D. José fazia parte da nossa família”

12 mar, 2014 • Filipe d’Avillez

Para os casais da Equipa de Nossa Senhora L52, D. José Policarpo era mais que um pastor: era um companheiro de 46 anos de caminhada.

“D. José fazia parte da nossa família”
Para a esmagadora maioria dos portugueses, D. José era o Patriarca de Lisboa, Cardeal, um dos homens que se reunia em Roma para escolher o novo Papa, visto, quanto muito, em conferências e cerimónias. Mas para os casais da Equipa de Nossa Senhora L52, de Lisboa, D. José era um amigo próximo, que os acompanhava há 46 anos, brincava com os seus filhos e partilhava dos seus momentos altos e baixos.

Teresa Novo recorda-se sobretudo dessa faceta do cardeal: “Era um amigo muito próximo, muito generoso. Contava connosco assim como nós contávamos com ele. Sempre que precisávamos estava pronto para nos ajudar e víamos que estava descontraído connosco, que gostava de estar, contava graças, fazia parte da nossa família e nós da dele.”

As Equipas de Nossa Senhora são um movimento que reúne grupos de casais (as equipas), acompanhados de um assistente espiritual. Fundado em França, o movimento foi inovador no sentido de trabalhar a espiritualidade do casal enquanto casal.

Das primeiras coisas de que se lembra Teresa Novo é da forma como D. José descontraía quando estava entre amigos: “Era bom vê-lo descontraído, diferente do que estava habitualmente com os seus parceiros, ou como imaginávamos que estaria. Como ele estava perfeitamente à vontade, descontraído. Ainda o vi a 26 de Fevereiro, nos seus anos. Estava tão feliz, tão contente de estar entre amigos, que é difícil entender como é que as coisas de repente terminaram”.

“Foi aí que lhe dei o último abraço e lhe disse 'até breve amigo'.”

Depois de tantos anos em que as funções de D. José não lhe permitiam acompanhar a equipa como gostaria, a resignação tinha aberto de novo essa possibilidade: “Ele estava visivelmente contente por poder continuar a estar connosco e a saber de nós e das nossas famílias, nós eramos todos recém-casados, com filhos pequenos, quando ele veio de Roma e ficou connosco, acompanhou as nossas dificuldades, problemas, o crescimento das nossas crianças”.

“Nós fazíamos-lhe falta, como ele fazia a nós.”