Tempo
|

Cavaco Silva

“Juntem a vossa voz à minha e defendam a imagem de Portugal”

25 abr, 2012 • Marta Grosso

“O 25 de Abril dos nossos dias é mostrar ao mundo o muito de positivo que o país tem e o respeito que merecemos das outras nações”, afirmou o Presidente da República durante a sessão oficial no Parlamento.

“Juntem a vossa voz à minha e defendam a imagem de Portugal”
O Presidente da República centrou o seu discurso, nas cerimónias comemorativas do 25 de Abril, na importância de defender a imagem de Portugal no estrangeiro para que o país possa vingar e sair melhor da crise. “O 25 de Abril dos nossos dias é mostrar ao mundo o muito de positivo que o país tem e o respeito que merecemos das outras nações”, afirmou o chefe de Estado, num discurso repleto de elogios ao país e de apelos à "coesão".
O Presidente da República centrou o seu discurso nas cerimónias comemorativas do 25 de Abril na importância de defender a imagem de Portugal no estrangeiro para que o país possa vingar e sair melhor da crise que o assola.

No Parlamento, Cavaco Silva começou por dizer que “o regime democrático encontra-se consolidado, porque o bom senso venceu” e recordou as conquistas alcançadas, depois de “um caminho difícil” e “ultrapassados inúmeros obstáculos”, tais como “uma Constituição que ainda hoje vigora e aderir às comunidades europeias”.

“Na altura, foram muitos os que participaram activamente nesta tarefa colectiva de explicar Portugal ao mundo. Passadas mais de três décadas sobre o 25 de Abril, os portugueses são de novo chamados a explicar Portugal ao mundo e dizer o que temos de bom”, defendeu o chefe de Estado.

Cavaco Silva centrou-se depois num dos factores de que depende a melhoria da economia portuguesa, “geralmente pouco referido: a imagem e a credibilidade de Portugal no estrangeiro”.

Exortou, por isso, “os concidadãos a corrigir a falta de informação ou até desinformação que existe no estrangeiro sobre o país que somos. Se o fizermos, contribuiremos para melhorar a nossa economia e até o nosso desemprego. Conseguiremos vender mais no país e atrair mais investimento externo, captar remessas de imigrantes, afirmar investigadores portugueses nas redes internacionais do conhecimento e da investigação.

“A imagem de um país é factor essencial para o sucesso” e o objectivo deve mobilizar todos, de empresários a trabalhadores, das elites das artes às da ciência.

“Temos todos o dever de mostrar que somos um país credível e com potencialidades por vezes ignoradas”, apesar do que se tem dito e escrito sobre Portugal, “muitas vezes coisas que nada têm a ver com a realidade”.

“O 25 de Abril dos nossos dias é também mostrar ao mundo o muito de positivo que o país tem e o respeito que merecemos das outras nações. Esta é a missão para a qual são chamados todos os portugueses”, sublinhou o Presidente, pedindo a todos que juntem a sua voz à sua e à de todos que promovem a imagem de Portugal no exterior.

E destacou: “Não temos de recorrer à ficção nem criar uma imagem ilusória da realidade portuguesa”, ilustrando depois os inúmeros casos de sucesso e de reconhecimento de figuras portuguesas e monumentos históricos no estrangeiro.

“O português é a terceira língua europeia em termos de falantes. Não é um idioma do passado, é uma comunidade de futuro. Basta referir que na rede twitter é a terceira língua mais utilizada”, enfatizou ainda Cavaco Silva.


O Presidente lembrou ainda a criação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) para afirmar que “é importante que o mundo saiba que soubemos construir. Somos conhecidos desde há muito como construtores de pontes entre culturas”.

Voltando depois ao presente, o Presidente da República afirmou estar “plenamente consciente da situação do país e dos problemas concretos dos portugueses: o desemprego, os novos pobres, os dramas que atingem famílias inteiras, da solidão que afectam tantos idosos”.

E reforçou que “o nosso melhor activo são as pessoas” e aplaudiu os portugueses por terem “mostrado uma capacidade notável de se adaptar às dificuldades”, nomeadamente através de “redes de solidariedade, voluntariado e apoio aos mais atingidos pela crise”.

Cavaco Silva lembrou que o esforço de Portugal tem sido reconhecido por “diversas instituições e observadores independentes” e voltou a apelar à união nestes momentos conturbados de crise.

“Com o espírito do 25 de Abril, juntos iremos vencer”, concluiu.