Siga-nos no Whatsapp

Redução do desemprego é "um primeiro sinal", mas não dá para "euforias"

31 jul, 2013

Taxa de desemprego voltou a descer em Portugal e situou-se nos 17,4% em Junho, abaixo dos 17,6% registados em Maio. Ainda assim, ficou acima dos 15,8% observados um ano antes.

O ministro da Solidariedade, do Emprego e da Segurança Social considera que a descida da taxa de desemprego em Portugal "é um primeiro sinal", mas acautelou que não é ainda tempo de entrar em "euforias".

"É um sinal ténue, mas é um primeiro sinal. Sabemos que neste momento o país continua a ter no desemprego a sua maior dificuldade, a situação é muito difícil para os desempregados em Portugal, mas estes números também nos dizem que esta redução de dois pontos percentuais significa que cerca de 20 mil pessoas deixam de estar desempregadas", afirmou Pedro Mota Soares.

No entanto, advertiu o governante, "não é possível entrarmos em euforias. O trabalho que temos pela frente é muito difícil".

A taxa de desemprego voltou a descer em Portugal e situou-se nos 17,4% em Junho, abaixo dos 17,6% registados em Maio, mas acima dos 15,8% observados um ano antes, segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat.

Desde Abril, mês em que atingiu o máximo de 17,8%, que a taxa de desemprego em Portugal tem vindo a registar descidas em cadeia: em Maio baixou para 17,6% e em Junho recuou para 17,4%.

Perante estes dados, Mota Soares acentuou que "é a primeira vez nos últimos 24 meses que há uma descida consecutiva de dois meses da taxa de desemprego, descontando o efeito da sazonalidade, muito especialmente da matéria do turismo".