Tempo
|

Mais um português pode ter morrido a combater pelo Estado Islâmico

11 mar, 2015 • Filipe d'Avillez

Abu Jawayria Portughali terá morrido num ataque suicida em Kobani. É descrito por um jornalista belga como um comandante do grupo terrorista.

Poderá ter morrido mais um português a combater ao serviço do autoproclamado Estado Islâmico, na Síria.

Numa mensagem publicada nas redes sociais por um declarado simpatizante do grupo terrorista, refere-se a morte de um homem conhecido como Abu Jawayria Portughali, supostamente num atentado suicida, em Kobani, junto à fronteira com a Turquia.

A informação aparece confirmada mais ao menos na mesma altura pelo jornalista belga, ao serviço da cadeia kuwaitiana Al-Rai, Elijah Magnier, que dá conta da morte, mas não indica a causa, nem o local onde terá ocorrido.

Segundo escreveu Magnier no Twitter, Portughali teria sido um dos cerca de 180 jihadistas libertados pela Turquia em Setembro de 2014 para garantir o resgate de meia-centena de funcionários do consulado turco em Mossul.

Contactadas pela Renascença, as autoridades portuguesas dizem que ainda estão a tentar confirmar a veracidade da notícia e a verdadeira identidade do alegado jihadista.

O termo "Portughali" significa português em árabe. É comum os jihadistas adoptaram como apelido a referência geográfica aos seus países de origem. Normalmente, porém, os combatentes e simpatizantes portugueses utilizam o termo "al-Andalusi", ou uma variante, utilizando portanto o nome dado à Península Ibérica durante a ocupação árabe.

A confirmar-se a notícia, este será o quarto caso de um jihadista português ou luso-descendente a morrer ao serviço do Estado Islâmico.