Tempo
|

Os cinco pontos do acordo entre Grécia e instituições europeias

20 fev, 2015

A Grécia vai apresentar uma primeira lista de reformas até segunda-feira. As instituições europeias irão analisar essas propostas e será fechada a lista no fim de Abril.

Os cinco pontos do acordo entre Grécia e instituições europeias
O ministro grego das Finanças diz que as negociações foram "difíceis", mas que há finalmente um acordo de compromisso "benéfico para ambas as partes". Varoufakis considera que o acordo conseguido - uma extensão de quatro meses do programa de ajuda financeira - foi o "primeiro passo" que vai permitir acabar com o memorando.

A Grécia e o Eurogrupo chegaram esta sexta-feira a acordo para prolongar o financiamento ao país por mais quatro meses.

Os cinco pontos do acordo entre Grécia e as instituições europeias:

1. A Grécia evita tomar medidas unilaterais que ponham em causa a estabilidade financeira e o equilíbrio orçamental e o crescimento económico

2. Compromisso com um processo de reformas estruturais.

3. Compromisso de assegurar os pagamentos da dívida aos credores.

4. Do lado das metas orçamentais, o Governo grego compromete-se a manter o excedente primário - ou seja a despesa sem juros da dívida - este é um ponto importante: Atenas quer um excedente de 1,5%. O actual programa tem uma meta de 4,5% para garantir a sustentabilidade da dívida.

5. Há uma alteração de linguagem e de instrumentos para atingir os objectivos para este ano. Será tido em linha de conta a evolução da economia (esta era uma das exigências da Grécia).

A Grécia vai apresentar uma primeira lista de reformas até segunda-feira. As instituições europeias irão analisar essas propostas e será fechada a lista no fim de Abril.

Segundo o Eurogrupo, o Governo grego reiterou o seu compromisso em honrar na totalidade as suas obrigações financeiras com todos os credores.

Jeroen Dijsselbloem confirma que foi uma reunião muito intensa, assente na confiança entre os parceiros, com o objectivo de uma revisão do actual programa.

Lembra o líder do Eurogrupo que a decisão é de prolongar o financiamento por quatro meses (e não seis como inicialmente a Grécia pretendia) e reactivar o programa de recapitalização da banca.

O sucesso da revisão existe flexibilidade e será usada da melhor forma, nas palavras do presidente do Eurogrupo. Condição prévia: a conclusão da revisão do actual programa.