Tempo
|

Portugal vai ter 600 homens em força da NATO

16 abr, 2015

Aprovação vai ser feita após reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional.

O Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) reúne-se na próxima quinta-feira para oficializar o envio de quatro caças F16 para a Roménia e de 600 militares do Exército para a nova força de reacção rápida da NATO.

Segundo adiantaram à agência Lusa fontes do sector da Defesa, a data inicial do CSDN era 14 de Abril, mas a reunião terá sido adiada para 23, depois de o envio de caças para a Roménia ter sido anunciado pelo Ministério da Defesa antes da sua aprovação formal por todos os órgãos de soberania.

A 4 de Março, o Ministério da Defesa confirmou à Lusa o envio para a Lituânia de 140 militares do Exército e para a Roménia de quatro aviões F-16 para participarem em missões de policiamento aéreo da NATO e reforço da sua presença no leste europeu.

Na noite anterior, a 3 de Março, as Forças Armadas romenas tinham anunciado a participação dos caças portugueses na missão da NATO naquele país.

Nesta reunião do CSDN deve ainda ser discutida e aprovada a participação de um batalhão de 600 militares do Exército na nova força de elevada prontidão da NATO (`Very High Readiness Joint Task Force`, em inglês) para responder às acções da Rússia na Ucrânia, que envolve cerca de 5000 mil homens.

No Palácio de Belém, deverá estar também em cima da mesa uma discussão sobre o Trident Juncture 2015, um exercício que vai decorrer em Portugal, Espanha e Itália, entre 3 de Outubro e 6 de Novembro.

O CSDN é o órgão consultivo do Presidente da República para os temas da Defesa, reúne periodicamente, e inclui os titulares das pastas da Defesa, dos Negócios Estrangeiros, da Administração Interna, das Finanças, da Indústria e Energia e dos Transportes e Comunicações.

É composto ainda pelos quatro chefes militares das Forças Armadas, os representantes da República para as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, os presidentes dos Governos Regionais dos Açores e da Madeira, o presidente da Comissão Parlamentar de Defesa e outros dois deputados da Assembleia da República.