Ministro não divulgou "matéria classificada" sobre portugueses no Estado Islâmico

23 out, 2014

Rui Machete acredita que não revelou matéria sigilosa na entrevista que deu à Renascença.

Ministro não divulgou "matéria classificada" sobre portugueses no Estado Islâmico
O ministro dos Negócios Estrangeiros considera que não divulgou qualquer informação reservada na entrevista que deu à Renascença. Rui Machete disse ao programa "Terça à Noite" que há duas ou três portuguesas que fazem parte do grupo Estado Islâmico querem regressar a Portugal.

A edição desta quinta-feira do "Diário de Notícias" dá conta que essa informação estava classificada como sensível e que a sua divulgação surpreendeu os serviços secretos. Mas, na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros desta quinta-feira, o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares esclareceu o entendimento do seu colega dos Negócios Estrangeiros.

"A indicação que eu tenho é que o senhor ministro não se referiu a nenhuma matéria classificada", sublinhou Marques Guedes.

Quanto à polémica lançada pelo jornal, o ministro da Presidência revela que Machete "irá ele próprio responder ao diário, porque entende que a notícia veiculada não tem adesão àquilo que ele verdadeiramente disse".

Observatório desvaloriza
O porta-voz do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT) também desvalorizou o facto de o ministro dos Negócios Estrangeiros ter revelado à Renascença que havia portugueses a querer desertar das forças jihadistas, sublinhando que "os serviços de segurança têm esses jihadistas monitorizados e que o risco vai-se eliminando progressivamente".

"As declarações de Rui Machete não põem em risco a segurança nacional", afirmou Filipe Pathé Duarte à agência Lusa.

O mesmo responsável disse ainda que Portugal não está na "mira" dos terroristas da jihad. "Qualquer país do Ocidente não se livra de estar permeável a este tipo de ataques. Portugal não está no ponto de mira da jihad, mas está na rota de colisão", reconhece Pathé Duarte.

A comprovar-se que os atentados perpetrados no Canadá foram levados a cabo pelo Estado Islâmico, isso figura, afirma o porta-voz do OSCOT, como uma resposta ao apelo feito em Setembro pelo grupo para que "qualquer muçulmano que tenha oportunidade" "matar e atacar cidadãos ocidentais".