Soares confia no "camarada Costa". Não quer "PS feito com a direita"

19 jun, 2014 • Susana Madureira Martins

Fundador do PS acusa António José Seguro de só querer uma coisa: ser primeiro-ministro.

Mário Soares e Ferro Rodrigues manifestaram apoio a António Costa nas primárias do PS e criticaram a direcção de António José Seguro, num encontro realizado, esta quinta-feira, no Teatro Tivoli, em Lisboa.

A noite tornou-se numa espécie de “tiro ao António”. O nome do actual líder do PS nunca foi dito, mas o elogio de Mário Soares a António Costa tinha implícita uma farpa a António José Seguro.

“Eu estou hoje particularmente feliz, porque tenho aqui um homem em quem confio, que admiro e que acho que vai mudar as coisas, porque vai fazer do PS um grande partido e vai ser um partido de esquerda e não um PS feito com a direita ou para ter lugares”, declarou Mário Soares.

O fundador socialista lamenta que no PS de hoje não se diga a palavra camarada, nem se levante o punho esquerdo. Mário Sores acrescenta que o PS tem um líder que só quer uma coisa: ser primeiro-ministro.

“É preciso que as coisas mudem e vão mudar com o nosso amigo António Costa, o nosso camarada do PS desde sempre e é isso que me entusiasma. Depois destes anos, há alguém que nunca falou do PS, nunca se referiu ao PS, e que sempre diz: ‘eu vou ser primeiro-ministro, eu quero ser primeiro-ministro’. É qualquer coisa de estranhíssimo e de inadmissível”, critica o antigo Presidente da República. 

Antes, Ferro Rodrigues, outro ex-secretário-geral do partido, separou as águas entre António Costa e António José Seguro.

“Não há homens providenciais, mas há homens que são mais importantes que outros em cada momento e este é o caso de António Costa”, declarou Ferro Rodrigues.

Na sua intervenção, António Costa foi directo ao assunto e com mais uma farpa a António José Seguro. “E quem se conforma com uma vitória pequenina é porque já se conformou em que não vai fazer a diferença e que não quer fazer a mudança que os portugueses querem”, disse o candidato às primárias do PS.

O presidente da Câmara de Lisboa promete um diálogo alargado com a esquerda, criticando a intenção de António José Seguro de avançar com a redução do número de deputados, que  elimina na secretaria o peso eleitoral do PCP e do Bloco de Esquerda, sublinha António Costa.