Tempo
|

Risco de derrocada em 75 praias com arribas no Algarve

21 ago, 2014

Os banhistas continuam a ignorar a sinalização que alerta para o perigo.

Risco de derrocada em 75 praias com arribas no Algarve
Arribas perigosas... Um deslizamento de pedras junto a uma falésia na praia de S. Bernardino, em Peniche, provocou seis feridos. PAULO CUNHA/LUSA
Pelo menos 75 praias do Algarve apresentam arribas com sinalização que alerta para o risco de derrocada, de acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), mas a maior parte continua a servir de encosto aos banhistas.

Cinco anos depois da derrocada na praia Maria Luísa, em Albufeira, na qual morreram cinco pessoas e três ficaram feridas, o perigo continua, uma vez que as zonas de risco (a área passível de ser ocupada pelos resíduos de desmoronamentos, com largura igual a 1,5 vezes a altura da arriba) continuam a ser ocupadas.

A APA enumera, na sua página na internet, uma lista das praias algarvias cujas arribas, costas rochosas que são permanentemente ou periodicamente expostas à acção do mar, estão em risco.

O concelho de Albufeira é o que mais casos regista, com 24 praias em risco. Lagoa surge na segunda posição, com 17 praias sinalizadas, seguindo-se de Vila do Bispo (11), Portimão (9), Aljezur (7), Lagos (5) e Silves (2).

Multas para quem se coloca em perigo
A permanência em zonas de perigo assinaladsa devido a risco de derrocada, a transposição de barreiras de protecção e o acesso a zonas de arribas interditas podem ser alvo de contra-ordenação por parte da Marinha Portuguesa.

As multas podem ir dos 30 aos 100 euros, no caso de permanência em zonas interditas ou se forem usadas para qualquer outro fim ou atividade, incluindo o acesso, atravessamento ou a circulação a pé.

Três anos depois do acidente mortal de Albufeira, o Governo decidiu que as praias de falésia e areal reduzido passavam a ter uso limitado e agravou as coimas para banhistas acompanhados de crianças que estejam em zonas interditas.

Segundo dados do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, o valor estimado para a percentagem de território nacional afectado por erosão costeira ronda os 30%, numa extensão de costa de cerca de 845 quilómetros.